Ministério Administração Interna

Queixas contra forças de segurança voltam a aumentar

117

Inspeção-geral da Administração Interna diz que o número atual de queixas contra elementos da PSP e da GNR é "altamente preocupante". Casos de ofensas à integridade física correspondem a 35% do total.

RUI MINDERICO/LUSA

O número de queixas apresentadas no Ministério Público contra elementos das forças de segurança subiu para as 772 no ano passado, um aumento de 6% face a 2016 e o valor mais elevado desde 2013, segundo dados consultado pela TSF. A Inspeção-geral da Administração Interna (IGAI), que fiscaliza estas queixas, considera “altamente preocupante” que 35% dos casos apresentados pelos cidadãos digam respeito a agressões.

No relatório anual de 2017, agora divulgado, a IGAI refere que foram apresentadas um total de 772 queixas contra as forças de segurança, das quais 267 por ofensas à integridade física. A maior parte destes casos de agressão (177) são apresentados contra agentes da PSP, mas também houve 83 processos instaurados contra militares da GNR.

Além das ofensas à integridade física, há queixas por alegada violação dos deveres gerais dos polícias ou guardas da GNR (157), queixas por violação dos deveres especiais  (78) e 70 casos de alegado abuso de autoridade.

Em contraste com estes números, no mesmo período houve menos três sanções aplicadas pela IGAI a membros das forças de segurança (em comparação com as nove de 2016).

Perante esta realidade, avança a TSF, a IGAI já manifestou a intenção de avançar com uma auditoria para analisar as queixas contra elementos da PSP e da GNR.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
100

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)