Ministério Administração Interna

Ministro da Administração Interna não emitiu despacho de alerta para a tempestade Leslie

Eduardo Cabrita não emitiu despacho de alerta que podia reforçar os meios de proteção e socorro durante a tempestade Leslie. Técnicos da Proteção Civil dizem que "não era tão importante quanto isso".

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, não emitiu um despacho de alerta que permitiria reforçar os meios de proteção e socorro durante a tempestade Leslie, apurou a SIC Notícias.

No passado, um despacho de situação de alerta emitido pelo ministério da Administração Interna já permitiu acionar mais meios da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Polícia de Segurança Pública (PSP) durante os incêndios de 2017. Mas, em declaração à SIC, a Associação Portuguesa de Técnicos de Segurança e Proteção Civil (ASPROCIVIL) afirmou que já havia alertas prévios e que, portanto, “este despacho não se afigurava tão importante quanto isso”.

Além do despacho emitido por Eduardo Cabrita nos incêndios do ano passado, o ministro da Administração Interna também assinou outro despacho em agosto deste ano por causa dos alertas de incêndio, recorda a SIC Notícias. Graças a esse despacho as Forças Armadas foram chamadas para patrulhar as florestas portuguesas.

Mas agora, mesmo depois dos avisos meteorológicos acionados para Portugal por causa da aproximação do furacão Leslie — que depois evoluiu para tempestade tropical ao entrar em território nacional –, Eduardo Cabrita não emitiu qualquer decreto de situação de alerta que permitisse reforçar os meios para enfrentar o fenómeno.

Se esse alerta tivesse sido emitido, o decreto podia ter tido resposta nacional ou local e ficaria ativo durante um período de tempo delineado no documento. Questionado pela SIC Notícias sobre o motivo de não ter emitido o decreto, Eduardo Cabrita não respondeu. Mais tarde, e por escrito, o ministério da Administração Interna afirmou que “compete às autarquias impedir a circulação ou condicionar a realização de eventos”.

Ricardo Ribeiro, presidente da ASPROCIVIL, também relativizou a importância do despacho de situação de alerta: “Neste contexto deste acidente, como havia um alerta prévio face àquilo que acontecia, e havia um alerta vermelho que devia ter a correspondência por parte dos serviços municipais e dos serviços públicos, este despacho não se afigurava tão importante quanto isso”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)