Governo

Cristas reafirma que trocas nos ministérios provam que Governo “está em fim de mandato”

A presidente do CDS-PP sublinhou ainda preocupação com a área da Energia, na qual admite que existam "incompatibilidades".

HUGO DELGADO/LUSA

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, reafirmou esta sexta-feira que as trocas nos ministérios “são a prova de que este Governo está em fim de mandato”, sublinhando preocupação com a área da Energia, na qual admite que existam “incompatibilidades”.

“Esta mudança no Governo é a prova de que este Governo está em fim de tempo e em fim de mandato. Mostra que o PS já não tem capacidade de recrutamento fora das suas hostes mais naturais. Passaram chefes de gabinete a secretários de Estado e pessoas que já antes colaboraram com o PS. Portanto, este Governo não tem rasgo e estas trocas não trazem frescura”, disse a líder do CDS-PP.

Assunção Cristas, que falava à agência Lusa à entrada para um jantar do partido que decorre em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, não quis comentar o facto de o novo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, tutelar a área do Turismo, setor onde a sua mulher está presente ao dirigir a Associação de Hotelaria de Portugal (AHP), mas apontou “incompatibilidades” noutras áreas.

“Analisaremos com atenção [a questão do ministro da Economia], mas choca-nos profundamente que tenhamos dois até agora deputados do PS e um foi para secretário de Estado da Energia e o outro, se o Governo quiser manter a indicação, irá para o regulador da área da Energia”, referiu.

Para a presidente dos centristas, em causa está a escolha de Carlos Pereira, deputado do PS que em janeiro perdeu a liderança do PS/Madeira, para administrador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), bem como do também deputado socialista João Galamba para secretário de Estado da Energia.

“Aí vimos uma grande e profunda incompatibilidade, porque o regulador tem de ser forte e independente, quer do setor que regula, quer do Governo. Isso choca-nos muitíssimo. O CDS entende há muito tempo que os reguladores podem ser indicados pelo Governo, escrutinados no parlamento, mas depois nomeados pelo Presidente da República”, apontou Assunção Cristas.

A presidente do CDS-PP participa esta noite num jantar com cerca de 500 pessoas que marca a tomada de posse dos órgãos distritais do Porto do partido.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)