França

Governo francês acusa: há “coletes amarelos” que querem o caos em França

A ministra do Interior francesa advertiu para a existência de manifestantes violentos entre os "coletes amarelos", dando o exemplo de um porta-voz que quis invadir o Palácio do Eliseu.

Os chamados "coletes amarelos" juntaram-se inicialmente para exigirem a suspensão de um novo imposto sobre os combustíveis

CAROLINE BLUMBERG/EPA

A ministra do Interior francesa, Jacqueline Gourault, advertiu esta quinta-feira para a existência de manifestantes violentos entre os denominados “coletes amarelos” que querem “que a França caia no caos”.

Em entrevista ao canal BFMTV, Jacqueline Gourault destacou que esta não é a intenção de todos os “coletes amarelos”, mas sim de uma parte e deu o exemplo de um porta-voz que expressou vontade em invadir o Palácio do Eliseu, sede da presidência.

A ministra do Interior explicou que, tendo em conta os protestos marcados para o próximo sábado, particularmente em Paris, recebeu informações de que “além dos coletes amarelos, há pequenos grupos que querem o confronto”, de modo a que “há o risco de as coisas correrem mal”.

Esta quinta-feira de manhã os cinco maiores sindicatos do país vão reunir-se para discutir a crise social que se vive no país.

Na quarta-feira, o Governo francês admitiu temer “uma grande violência” no sábado, depois de no passado fim de semana terem sido detidas mais de 400 pessoas, no âmbito dos protestos dos “coletes amarelos”.

Citado pela agência de notícias francesa, France-Presse, o Governo disse: “Temos motivos para temer uma grande violência”.

A declaração surge numa altura em que se multiplicam os apelos para uma nova mobilização de “coletes amarelos” por toda a França.

Os apelos surgem não obstante o Presidente francês, Emmanuel Mácron, ter dado mais um passo para aplacar o mal-estar liderado pelos “coletes amarelos”, ao anular a taxa sobre combustíveis em vez de a suspender durante seis meses, como tinha sido anunciado na terça-feira.

Com este novo anúncio, o Governo francês pretendia evitar a todo o custo que se repitam no próximo sábado as cenas de guerrilha urbana dos protestos do passado dia 01 de dezembro em Paris.

Mais de 400 pessoas foram detidas no sábado em Paris, de acordo com o chefe de polícia, que falou de atos de violência de “gravidade sem precedentes”.

Há três semanas que os franceses saem à rua, bloqueando rotundas e autoestradas do país, primeiro para exigir a suspensão de um novo imposto sobre os combustíveis, mas depois também para denunciar o empobrecimento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O merceeiro de Havel

Diogo Prates

Algumas vezes o “homem comum” de Miguel Pinheiro ou o merceeiro de Havel não se comportam como as elites gostavam que eles se comportassem. Nessas alturas tiram os posters da janela. Ou saem à rua.

Combustível

O significado político dos coletes amarelos

Luís Ribeiro

As manifestações dos coletes amarelos foram a primeira movimentação popular de peso contra políticas ambientais. O seu profundo significado político reside precisamente no reconhecimento desse facto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)