Rádio Observador

Mundial de Clubes

Além de pintores, comerciantes e funcionários públicos, são jogadores. E ficaram a 11 metros da glória

Team Wellington tem 14 anos, treina quatro vezes por semana ao final do dia e jogou uma final perante 1.000 pessoas. No Mundial de Clubes, esteve a ganhar por 3-0 com o Al Ain. Perdeu nos penáltis.

Team Wellington conseguiu vencer Auckland City nas meias-finais da Champions da Oceânia e ficou perto de mais um "milagre"

AFP/Getty Images

Mais do que a vitória do Team Wellington, a grande notícia do futebol da Nova Zelândia nos últimos tempos foi mesmo a derrota do Auckland City. Sim, este não é o arranque mais estimulante de uma história, tendo em conta o desconhecimento profundo que existe por cá ao que se passa no outro lado do mundo algures na Oceânia; no entanto, foi o primeiro passo para mais uma história de encantar que, neste caso, conseguiu o mais difícil e falhou aquilo que parecia ser fácil: após ter estado a ganhar por 3-0 ao Al Ain no arranque do Mundial de Clubes, deixou-se empatar aos 86′ e perdeu nas grandes penalidades.

Rebobinemos o filme: em 2010, o ainda mais desconhecido Hekaru United, da Papua Nova Guiné, foi o representar da Oceânia na competição, arrancando (e terminando) com uma derrota por 3-0 frente ao Al-Wahda; daí para a frente, o Auckland City teve lugar cativo no primeiro encontro do Mundial de Clubes, uma espécie de playoff de acesso aos quartos de final que têm apenas dois jogos porque quer o representar da Europa, quer o da América do Sul entram apenas nas meias. Em sete edições, apenas por uma vez houve surpresa e das grandes, com o conjunto da Nova Zelândia a vencer os marroquinos do Moghreb Tétouan nas grandes penalidades (0-0, 4-3) e os argelinos do ES Setif (1-0), caindo apenas na meia-final frente aos argentinos do San Lorenzo e no prolongamento (2-1); de resto, seis derrotas logo a abrir com adversários tão diversos como Kashiwa Reysol, Sanfrecce Hiroshima (ambos do Japão), Raja Casablanca (Marrocos) e Al Jazira (Emirados Árabes Unidos).

Este ano tudo mudou com o sucesso do Team Wellington, conjunto que tem 14 anos de existência e que é orientado nesta altura por um inglês com pais espanhóis, José Manuel Figueira. Aos 36 anos, e com 15 de carreira, começou a treinar na academia do Brighton, foi convidado pela Federação da Nova Zelândia, passou pela formação dos americanos do New York Red Bulls, foi para o Central United, trabalhou nas camadas jovens do Auckland City e assinou pela atual formação em 2016, sendo ainda técnico da seleção Sub-17 e adjunto do conjunto principal. “Estava a acabar os meus estudos em Inglaterra, trabalhava em part-time no Brighton, havia oportunidades dos Estados Unidos, da Austrália e da Nova Zelândia e acabaram por escolher-me. Esta presença no Mundial de Clubes? Era só o objetivo desde que o clube foi fundado em 2004…”, contou ao As.

José Figueira conseguiu levar pela primeira vez o Team Wellington ao Mundial de Clubes em dois anos (GIUSEPPE CACACE/AFP/Getty Images)

Para alcançar pela primeira vez vaga na fase final do Mundial de Clubes, que se realiza nos Emirados Árabes Unidos, ultrapassou equipas como Marist (Ilhas Salomão, 1-1), Magenta (Nova Caledónia, 5-1), Lupe o le Soaga (Samoa, 7-1) e Toti City (Papua Nova Guiné, 11-0), eliminando o favorito Auckland City nas meias-finais pelos golos marcados fora (0-0 e 2-2). A final, essa, não teve grande história: o 6-0 contra o Lautoka, das Ilhas Fiji, na primeira mão arrumou a questão (na segunda mão ficou 4-3). Mesmo tratando-se de uma final continental, havia apenas 1.000 espetadores a assistir ao encontro.

“Na Champions da Oceânia, jogámos desfalcados na primeira fase. Tivemos um jogador que tinha de trabalhar no seu escritório e não conseguiu viajar com a delegação para as Ilhas Salomão. Depois já conseguiu jogar nas meias-finais mas foi mais um exemplo de contratempo. Todas as equipas na Oceânia são amadoras. No nosso caso, treinamos à noite, quatro vezes por semana. Mas isso não quer dizer que não trabalhemos a 100%, aí somos quase profissionais”, contou o técnico ao Globoesporte.

Entre pintores, comerciantes e funcionários públicos, há três jogadores que trabalham também para o próprio clube. Do lado do Al Ain, a equipa da casa que defrontava o conjunto neozelandês no primeiro encontro deste Mundial de Clubes, só o avançado sueco tem um ordenado anual a rondar os 2,5 milhões de euros, como explicava o Stuff; no caso de derrota, o Team Wellington receberia qualquer coisa como 440 mil euros, que seria na totalidade para pagar dívidas também relacionadas com as viagens que teve de fazer ao longo da Liga dos Campeões da Oceânia. Mas tudo valia a pena pela oportunidade que Figueira quis preparar de forma afincada apesar do contexto claramente desfavorável que enfrentava.

No entanto, o início foi de sonho e no primeiro quarto de hora a equipa da Nova Zelândia já vencia por 2-0, com um grande golo do argentino Mario Barcia logo a abrir (11′) e outro de Aaron Clapham aos 15′. O Al Ain ainda viu um golo anulado pelo VAR e o Team Weelington chegou mesmo ao 3-0 por Mario Ilich (44′), antes de Shiotani reduzir em cima do intervalo. Na segunda parte, tudo mudou e o conjunto dos Emirados Árabes Unidos chegou mesmo ao empate de forma natural com golos de Tongo Doumbia (49′) e Marcus Berg, o veterano avançado sueco que levou o encontro para prolongamento aos 86′. O jogo foi mesmo para grandes penalidades, com o Al Ain a ganhar por 4-3 e a apurar-se para os quartos de final, decidindo agora com os tunisinos do Espérance quem irá defrontar o River Plate na meia-final. De forma inglória, o sonho do Team Wellington terminou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)