Rádio Observador

Partido Republicano

“Porque é que supremacia branca é um termo ofensivo”, questionou republicano criticado pelo partido (mas não por Trump)

Várias figuras do partido republicano (mas não Donald Trump) censuraram o conteúdo de uma entrevista que o congressista Steve King deu na semana passada ao The New York Times.

Getty Images

“Nacionalismo branco. Supremacia branca. Civilização ocidental. Quando é que estes conceitos se tornaram ofensivos?”. Esta foi uma das frases atribuídas a Steve King pelo The New York Times numa reportagem publicada na semana passada, onde foi entrevistado o congressista republicano que é um dos principais apoiantes de Donald Trump e da proposta de construir o muro na fronteira com o México. Várias figuras do partido republicano (mas não Donald Trump) censuraram o conteúdo da entrevista e retiraram-no das comissões específicas em que participava, aconselhando-o a abandonar o lugar no Congresso.

Esta não foi a primeira vez que este veterano congressista proferiu declarações vistas como racistas e comentários que “não são dignos do partido de [Abraham] Lincoln e, claramente, não são dignos de um americano”, defendeu Kevin McCarthy, um republicano eleito pelo estado da Califórnia que lidera a bancada minoritária dos norte-americanos na Câmara dos Representantes. Também Mitt Romney, antigo candidato republicano à presidência, pediu a King que se demita e Mitch McConnell, líder da maioria republicana no Senado, recomendou-lhe que “encontre uma outra área profissional para se dedicar”. De Trump, não se ouviram quaisquer comentários.

Steve King foi retirado das comissões em que participava, designadamente ligadas à política na agricultura, mas McCarthy defendeu que cabe aos cidadãos do Iowa decidir se ele deve conservar o seu lugar de congressista. Em sua defesa, o republicano emitiu um comunicado em que diz que as suas palavras foram mal-entendidas e que a sua expulsão das comissões “é uma decisão política que é tomada em desprezo pela verdade”.

Segundo o The New York Times, o congressista terá dito, numa reunião privada com o líder da bancada, Kevin McCarthy: “Tu tens de fazer o que tens de fazer e eu tenho de fazer o que tenho de fazer”. King garante que vai continuar a “defender a verdade” e que conta cumprir o mandato que lhe foi dado “pelo menos nos próximos dois anos”.

Há, porém, quem peça a Trump para tomar uma posição. “Estou feliz por estarem, finalmente, a tomar medidas em relação a Steve King, depois dos vários anos que passou a denegrir os imigrantes e os hispânicos”, comentou o congressista democrata Joaquin Castro, do Texas. “Mas o presidente dos EUA também está a fazer o mesmo e disse algo acerca de Elizabeth Warren [provável candidata à presidência] que foi algo muito feio, do ponto de vista racial, e ainda não ouvimos ninguém do partido republicano a condenar uma palavra que seja”, acrescentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)