Síria

Erdogan e Putin debatem em Moscovo situação na Síria pós-retirada dos EUA

O objetivo do encontro será encontrar possíveis soluções após a retirada de dois mil soldados norte-americanos do território sírio. Moscovo e Ancara apoiam grupos opositores no país.

O apoio militar russo é vital para o regime sírio, ao passo que as tropas turcas armam e apoiam as milícias islâmicas surgidas da rebelião contra o regime de Damasco

MICHAEL KLIMENTYEV / SPUTNIK / KREMLIN POOL/EPA

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, desloca-se esta quarta-feira a Moscovo para negociar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, possíveis soluções para o conflito na Síria após o anúncio da retirada das tropas norte-americanas do país.

Segundo o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin, “o objetivo da visita é sobretudo coordenar com a Rússia a situação que surgirá depois da retirada dos Estados Unidos” da Síria.

Washington anunciou em dezembro passado a partida de território sírio dos cerca de dois mil soldados norte-americanos que aí se encontram, justificando a retirada com a derrota do grupo extremista Estado Islâmico (EI), mas os ‘jihadistas’, entrincheirados em pequenos setores no leste da Síria, continuam a perpetrar atentados mortíferos.

Ancara está a negociar com Washington criar e controlar uma faixa de segurança de 32 quilómetros de largura, ao longo da fronteira turco-síria, dela expulsando as milícias sírias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), aliadas dos Estados Unidos na luta contra o EI.

A Turquia considera as YPG uma entidade terrorista devido à sua ligação ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a guerrilha turca curda, e quer acabar com a administração autónoma que as milícias curdas instalaram no norte da Síria — uma ideia que desagrada à Rússia, porque dificultará que o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, que Moscovo apoia, recupere o controlo sobre esse território.

“Estamos convencidos de que a única opção e a melhor é a transferência desses territórios para o controlo do Governo sírio, o exército sírio e as administrações locais”, disse recentemente o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov.

Moscovo e Ancara apoiam grupos opositores na Síria: o apoio militar russo é vital para o regime, ao passo que as tropas turcas armam e apoiam as milícias islâmicas surgidas da rebelião contra o regime de Damasco.

A possibilidade de, perante um avanço turco, as YPG preferirem entregar o território a Assad preocupa Ancara, mas é do agrado de Moscovo, pelo que a retirada norte-americana poderá abrir novos conflitos de interesses entre a Turquia e a Rússia.

“Aplaudimos e apoiamos os contactos iniciados entre representantes curdos e as autoridades sírias com o objetivo de acordar como restaurar a vida num Estado único sem ingerência externa”, afirmou Lavrov.

Erdogan anunciou também para breve uma cimeira tripartida com Putin e o Presidente iraniano, Hassan Rohani, que se prevê possa realizar-se nos próximos meses.

Esta primeira viagem de Erdogan ao estrangeiro este ano reflete a estreita comunicação que mantém com Putin: em 2018, os dois líderes falaram por telefone 18 vezes e reuniram-se pessoalmente sete vezes, segundo dados da agência Anadolu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)