Depois de nove horas de “buscas intensas” com recurso a vários aviões e um barco salva-vidas, as operações para encontrar o avião onde seguia o jogador Emiliano Sala foram suspensas com o cair da noite. Segundo a polícia de Guernsey, não foram encontrados quaisquer vestígios do avião que desapareceu esta segunda-feira. Uma decisão sobre o recomeço das operações será comunicada na manhã seguinte, sendo que esta noite não são esperadas mais atualizações.

No segundo dia de buscas pelo avião privado que transportava o antigo avançado argentino do FC Nantes, Emiliano Sala, e que desapareceu esta segunda-feira dos radares no Canal da Mancha, a polícia de Guernsey está a investigar quatro possibilidades: 1) o avião aterrou em qualquer lado mas não estabeleceu contacto; 2) o avião caiu na água e os ocupantes foram apanhados por um navio e não estabeleceram contacto; 3) o avião caiu na água e os ocupantes conseguiram chegar ao barco salva-vidas que estava a bordo; 4) o avião separou-se em contacto com a água e deixou os ocupantes no mar. As autoridades revelaram, entretanto, que a possibilidade a que estão a dar mais prioridade será a de os ocupantes do avião terem conseguido chegar ao barco salva-vidas.

O futebolista argentino que se afirmou nos franceses do FC Nantes, onde chegou a ser treinado pelo português Sérgio Conceição, deslocava-se esta segunda-feira num avião privado para Cardiff, no País de Gales, para se juntar aos novos colegas de equipa. O avião deveria ter chegado ao destino às 22h locais, mas perto de duas horas antes — cerca de 45 minutos depois de levantar voo — desapareceu dos radares, quando estava na zona do Canal da Mancha, e nunca mais estabeleceu contacto.

A polícia de Guernsey tem vindo a atualizar o estado das buscas ao avião, que transportava dois passageiros. Numa das últimas atualizações desta terça-feira, ainda antes de revelarem as quatro hipóteses que estão a considerar nas buscas, as autoridades informavam que a hipótese de sobrevivência, caso o avião tenha caído no mar, eram menores: “Durante o curso das 15 horas de buscas (…) um conjunto de objetos flutuantes foram vistos na água. Não conseguimos confirmar se algum deles pertence à aeronave desaparecida. Não encontrámos sinais dos passageiros. Se porventura aterraram na água, as probabilidades de sobrevivência são, nesta fase, infelizmente reduzidas. (…)”.

As buscas foram retomadas esta manhã: “Retomámos as buscas. Dois aviões estão a escolar e vão procurar numa área determinada onde acreditamos que há uma maior probabilidade de encontrarmos algo, de acordo com uma análise feita sobre as marés e meteorologia desde o momento do desaparecimento”. Segundo as autoridades, os telemóveis dos dois ocupantes do avião podem ser uma ajuda para determinar a localização da aeronave, ainda que essa hipótese ainda esteja a ser analisada.

Sala preferiu “próprios meios”, apesar de o Cardiff se ter oferecido para tratar da viagem

Em declarações ao Wales Online, o presidente do Cardiff, Mehmet Dalman, revelou que o clube se ofereceu para tratar da viagem do avançado argentino para o País de Gales, mas que Emiliano Sala preferiu utilizar “os seus próprios meios”.

Falamos com o jogador e perguntámos se ele queria que tratássemos do voo que, para ser honesto, seria num avião comercial”, referiu Mehmet Dalman.

O dirigente do clube galês disse ainda desconhecer quem planeou o voo e que o Cardiff vai participar na investigação. “Não desistimos enquanto não soubermos todos os factos”, acrescentou.

“A única coisa que quero é que o encontrem”

Horacio Sala, o pai do futebolista argentino Emiliano Sala, reagiu ao desaparecimento do filho com muita emoção e poucas palavras. “Não sei de nada”, “não sei o que fazer”, “não tenho palavras para dizer”, “a única coisa que quero é que o encontrem” e “as horas passam e penso o pior” foram algumas das expressões que proferiu aos jornalistas, em Santa Fé, de onde o filho é natural. Horacio Sala queixou-se também de ainda não ter recebido qualquer informação “da embaixada ou do clube, de ninguém”. Sala tinha assinado recentemente pelos ingleses do Cardiff City. O vídeo das declarações pode ser visto abaixo:

Já são também conhecidas o que se acredita serem algumas das últimas mensagens de Emiliano Sala antes do desaparecimento do avião. Através de uma mensagem de voz no WhatsApp, enviada a um grupo de amigos, o jogador disse: “Olá, maninhos, como estão? (…) Estou aqui no avião, que parece que está a cair aos pedaços. Vou para Cardiff, amanhã já arrancamos. À tarde arrancamos para treinar, rapazes, na minha nova equipa”.

https://twitter.com/NItaquera/status/1087956001402351616

O futebolista argentino que tinha acabado de se transferir para a Premier League, mas que chegou a passar pelas distritais portuguesas, atuando no Crato, clube de futebol de Portalegre, referiu ainda: “Vamos ver o que se passa. Como andam, maninhos, tudo bem? Se numa hora e meia não tiverem novidades minhas, não sei se vão enviar alguém para me procurar porque não me encontram, mas já sabem… Que medo que tenho!”.

Após o clássico que opôs o Benfica ao F. C. Porto esta terça-feira, o treinador dos dragões, Sérgio Conceição, referiu-se ao desaparecimento do jogador: “Neste momento, o meu coração, o meu pensamento, está com a família do Emiliano Sala. Foi um jogador meu, do Nantes, um miúdo fantástico, e seguramente a família está a sofrer muito. Nós, equipa técnica, tínhamos uma relação muito boa com todos os jogadores. Sofremos muito hoje com a notícia deste desaparecimento. Não sabemos, neste momento, como estão as coisas, mas o meu pensamento mais forte agora é esse”. O técnico do F. C. Porto já tinha enviado uma mensagem pedindo um “milagre” através do Twitter.