Rádio Observador

Pobreza

Ex-modelo e capa da Vogue dorme há três meses nas ruas de Barcelona

4.104

Deu cara a várias marcas e capas de revistas, jantou com Andy Warhol e chegou a ser convidada para o casamento de Madonna. Nastasia Urbano teve contratos milionários mas o ex-marido deixou-a sem nada.

Já passaram três meses desde que  dormiu, pela primeira vez, junto a uma caixa de multibanco, numa rua de Barcelona. “Caminhei durante todo o dia sem conseguir pensar com clareza. Um grito de desespero ecoava na minha cabeça. Um grito de socorro, de ajuda“, recordou a ex-modelo ao El País. O cão Jack e as roupas que tem vestidas — o casaco foi “o amigo Toni” que lhe deixou– é tudo o que lhe resta. Nastasia, que chegou a assinar contratos no valor de um milhão de dólares (cerca de 880 mil euros) por 20 dias de trabalho, tem agora 57 anos e vive nas ruas de Barcelona.

Foi lá que conheceu o agora ex-marido — o “fim de tudo” — numa das vezes que voltou àquela cidade espanhola para visitar os pais. “No dia depois de o conhecer, ele queria que lhe comprasse um BMW e eu, feita idiota, passei-lhe um cheque“, contou Nastasia Urbano ao El Periódico, o jornal que a encontrou a dormir na rua, na semana passada.

Eu estava apaixonada. Se não confiares na pessoa que amas, em quem confias? Mas ele não. Ele não me amava”, desabafou Nastasia ao mesmo jornal.

A ex-modelo recorda que, desde aí, passou a financiar os projetos fracassados do marido “de forma cega”, conta ao El País. Esteve sete anos casada. “A partir do ano 2000, comecei a trabalhar de forma temporária a cuidar de pessoas, crianças, mas não ganhava o suficiente”, recorda Nastasia Urbano.

Diz que “a única coisa boa desse relacionamento” foram os seus filhos — que Nastasia quer que tenham orgulho da mãe. “Quero que eles vivam a vida sem preocupações, que não sofram mais por mim. Mas têm um pai que não é nada e uma mãe que mora na rua“, diz ainda, acrescentando que os filhos “fazem tudo o que podem” por ela.

Nastasia chegou a assinar contratos no valor de um milhão de dólares por 20 dias de trabalho e foi capa da Vogue (Foto: CDigests/Twitter)

O seu nome, Nastasia Urbano, foi ela mesma que o inventou, quando a agência de modelos com quem tinha um contrato a obrigou a escolher um novo nome. Deu cara a várias marcas de roupa e perfumes, foi capa de várias revistas, incluindo a Vogue, jantou com Andy Warhol, foi a festas com Melanie Griffith e chegou a ser convidada para o casamento de Madonna com Sean Penn. “Eu tinha tudo. Estava a viver como uma rainha.

Nastasia quer “viver” e não “sobreviver”. “Estou cansada de sobreviver e pedir dinheiro”, conta a ex-modelo. “Se tivesse de pagar um apartamento, não teria o que comer, não poderia pagar eletricidade ou não poderia pagar a água. Teria de ir a uma fonte para a ter”, explica. É o amigo Toni, “um anjo”, que a deixa dormir no sofá de sua casa, de vez em quando. “Mas não posso ficar ali. É sempre temporariamente”, lamenta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)