O ex-coordenador da rede de Cuidados Continuados disse esta quarta-feira, na Comissão de Saúde da Assembleia da República, que deixou as funções porque o Ministério da Saúde lhe retirou a autorização para deslocar-se de carro. “Isso obrigava obrigava a que passasse muito tempo, mais do que aquele que estou disponível a passar, longe da minha família”, lamentou Manuel Lopes. PSD, PCP e Bloco de Esquerda ficaram “incrédulos” com as razões para a saída das funções.

Foi já perto do final de uma audição de quase duas horas que Manuel Lopes explicou por que razão,  em novembro do ano passado, quando faltava apenas um mês para terminar o seu mandato, decidiu deixar a coordenação da Reforma Nacional para os Cuidados Continuados.

Constatou-se, já não com senhora ministra” da Saúde — que tinha acabado de lhe pedir que continuasse o seu trabalho —, “mas com a senhora secretária de Estado, que as condições que me davam eram para que eu continuasse a fazer este trabalho de transportes públicos”, disse o professor universitário.

Manuel Lopes explicou que “isso obrigava a que não tivesse família”. “Obrigava a que eu passasse muito tempo, mais do que aquele que estou disponível a passar, longe da minha família. Se já me estava a ser exigido um esforço da natureza do que me estava a ser exigido, entendi que, de facto não havia condições para continuar”, acrescentou.

PSD, PCP e Bloco de Esquerda ficaram “incrédulos”. O deputado bloquista Moisés Ferreira considerou até “mesquinha” a atitude do Ministério da Saúde. Referindo-se ao ministério de Marta Temido, o deputado defendeu que “dizer que estava muito empenhado em continuar o trabalho mas, depois, não lhe darem as condições para isso parece muito mesquinho”. O PS preferiu focar-se no estado de espírito de Manuel Lopes. “O PSD continua a ver fantasmas”, disse a deputada socialista.

O ex-coordenador da da rede de Cuidados Continuados admitiu, no entanto, que o “problema” pudesse ser seu. Garantindo que a “questão está arrumada”, Manuel Lopes sublinhou, ainda assim, que “não usava um carro público” mas sim o seu próprio carro. “Se me dizem ‘nem isso, [tem de deslocar-se em] transportes públicos’, considero que não tenho condições”, disse na comissão de Saúde. “Provavelmente, o problema é meu, não acredito em reformas de papel, tenho de estar com as pessoas e se calhar é por isso que me continuam a ligar e a pedir a minha opinião”, concluiu.