A Academia de Artes de Ciências Cinematográficas, responsável pela atribuição dos Óscares, reverteu a polémica decisão de distribuir quatro galardões técnicos durante os intervalos televisivos. As categorias em causa eram Fotografia, Montagem, Melhor Curta Metragem e Melhor Caracterização. O objetivo era tornar mais curta uma cerimónia que tem tendência para se arrastar no tempo (e ser criticada também por isso). A decisão gerou indignação na comunidade de Hollywood e a Academia decidiu voltar atrás com a decisão. A confirmação foi avançada através de um comunicado.

As quatro categorias de Óscares que vão ser entregues no intervalo para abreviar a cerimónia

Após uma reunião na quinta-feira à noite com os principais diretores de fotografia, a liderança da Academia, incluindo o presidente John Bailey e a CEO Dawn Hudson, prometeram entregar os prémios de todas as categorias por igual. Ou seja, nos intervalos televisivos não haverá entrega de galardões.

“A Academia ouviu o feedback dos seus membros sobre a apresentação do Óscares de quatro categorias. Todos os prémios serão apresentados sem edições, no nosso formato tradicional. Estamos ansiosos pela cerimónia de domingo, 24 de fevereiro ”, disse a Academia em comunicado.

Apesar de a decisão ter sido revertida, a Academia pretende que a cerimónia deste ano não seja demasiado longa e mantém o objetivo de não ultrapassar as três horas de duração.

As críticas estavam a criar demasiado ruído em torno da organização da cerimónia. Atores como Brad Pitt ou George Clooney mostraram-se muito desagradados com o facto de poder haver entregas de prémios que aconteciam nos intervalos televisivos.

Apesar da polémica, a cerimónia vai decorrer no domingo dia 24 de fevereiro, no formato tradicional, sem cortes e com a emissão de todas os prémios entregues.

É oficial: Óscares não vão ter apresentador este ano. A última vez foi há 30 anos e não correu bem