Chuva forte e deslizamentos de terras matam três pessoas no Rio de Janeiro

Tempestade chegou na noite de segunda-feira ao Rio de Janeiro e intensificou-se esta terça-feira. Duas mulheres e um homem morreram e as escolas cancelaram as aulas.

i

AFP/Getty Images

AFP/Getty Images

Um temporal que se abateu sobre o Rio de Janeiro, no Brasil, provocou deslizamentos de terras, alagou ruas, derrubou árvores, destruiu carros e já matou três pessoas. A tempestade causou a primeira morte ainda na noite de segunda-feira, com o corpo de um homem a ser encontrado debaixo de um carro no Bairro da Gávea, no sul do Rio. De acordo com a Globo, também os corpo de duas irmãs foram retirados do lamaçal no Bairro do Leme, na madrugada desta terça-feira.

As irmãs e vizinhas Doralice e Gerlaine do Nacimento, de 55 e 52 anos, foram encontradas soterradas no Morro da Babilónia, no Leme. A primeira morte foi confirmada pelo comando do 23.º Batalhão da Polícia Militar. A causa da morte não foi confirmada, mas testemunhas dizem que o homem de 30 anos terá caído da mota, tendo sido arrastado pelas águas até ficar preso debaixo de um carro, na Avenida Marquês de São Vicente, uma das principais do Bairro da Gávea.

O alerta começou depois das 18 horas (14 horas em Portugal continental) e passou a ao nível mais alto – “crise” – perto das nove da noite. Em quatro horas, choveu mais do que nos dias 6 e 7 de fevereiro e que mataram seis pessoas. Os estragos deste temporal fizeram com que escolas e universidades não possam abrir portas para os alunos e existem estradas cortadas e alagadas um pouco por todo o Rio.

Foi decretado o estado de “crise”, o mais grave numa escala de três, que significa que a chuva vai manter-se forte ou muito forte e que ainda podem acontecer múltiplos deslizamentos de terra e inundações. O Instituto Nacional de Metereologia prevê chuvas fortes com trovoada na manhã desta terça-feira. À população é recomendado que se desloque apenas “em caso de extrema necessidade”.

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.