Rádio Observador

Extrema Direita

Bannon aconselhou líder da extrema-direita italiana Matteo Salvini a atacar o “inimigo” Papa Francisco

455

Conselho terá sido dado numa reunião da Liga com o antigo conselheiro de extrema-direita da Casa Branca. Bannon continua périplo pela Europa e aproxima-se de sectores mais conservadores da Igreja.

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, perante uma imagem projetada do Papa Francisco

AFP/Getty Images

O conselho terá sido dado a Matteo Salvini, então apenas líder do partido italiano Liga (antiga Liga do Norte), numa reunião em abril de 2016 — meses antes da eleição de Donald Trump como Presidente norte-americano e da entrada de Stephen Bannon, ideólogo da extrema-direita norte-americana e diretor do site Breitbart, na Casa Branca. A ideia era simples: atacar o Papa Francisco, já que as suas declarações em defesa dos migrantes eram contrárias às ideias defendidas por Salvini.

“Bannon avisou o próprio Salvini que o Papa atual é uma espécie de inimigo. Ele sugeriu atacar, frontalmente”, revelou uma fonte ao site Source Material, que faz investigações em parceria com órgãos como o The Times ou a BBC, e que publicou este sábado um longo artigo com o título “O herético no Vaticano: como o Papa Francisco se tornou numa figura odiada pela extrema-direita” onde são revelados esta e outras ligações de movimentos extremistas a ataques ao Papa.

O aviso, conta o Source Material e o The Guardian, deu rapidamente frutos, como se comprova pelo Twitter de Salvini — atual ministro do Interior italiano, depois de uma coligação governamental da Liga com o Movimento 5 Estrelas o ter levado ao poder. “O Papa diz que os migrantes não são um perigo. Bah”, escreveu o líder do partido italiano separatista tornado nacionalista e de extrema-direita. Não foi a única vez que Salvini atacou declarações de Francisco naquela plataforma: várias vezes criticou, ao longo de 2016 e 2017, os pedidos de compaixão do Papa pelos migrantes, sublinhando que trazem “caos e problemas em vez da paz” e questionando declarações de Francisco a propor “hospitalidade e cidadania para MILHÕES de imigrantes” quando há tantos “italianos a viver na pobreza”.

Também no verão de 2016, relembra o Source Material, Salvini publicou uma fotografia com uma camisola onde se podia ler “O meu Papa é Bento”, com a legenda “Não nos esquecemos dos ensinamentos do Papa Bento XVI” — uma afirmação que pode ser interpretada como não reconhecendo legitimidade ao Papa Francisco, tendo em conta que Bento XVI ainda é vivo, embora tenha renunciado ao cargo.

A mesma publicação revela, no entanto, que os ataques do líder da Liga a Francisco diminuíram de intensidade devido às críticas internas de membros do partido, como Giancarlo Giorgetti, o vice-secretário federal que terá ligações a figuras de relevo no Vaticano. “O Salvini avançou com força e disse ‘temos de atacar o Vaticano’, mas o outro tipo disse ‘espera'”, resumiu a mesma fonte à publicação.

Bannon nunca escondeu discordâncias com Papa Francisco — e até tem um projeto com o apoio de Burke, cardeal crítico do Papa

A notícia pode ter sido avançada por uma fonte anónima, mas o que é certo é que Steve Bannon — que tem estado entretido a tentar criar um movimento populista de extrema-direita na Europa desde que saiu da Casa Branca, com apoio da Liga — nunca escondeu as críticas que faz ao Papa Francisco.

Isso mesmo deixou claro na entrevista que deu à cadeia de televisão norte-americana NBC, também publicada este sábado. “[O Papa Francisco] é o administrador da Igreja e também é um político”, declarou na entrevista. “O problema é que ele responsabiliza o movimento populista nacionalista por todos os problemas no mundo.”

Bannon aproveita ainda a entrevista para apontar baterias a Francisco a propósito do escândalo de abusos sexuais na Igreja e reforçando que a Igreja “precisa de mudar”. O mesmo tinha dito numa entrevista dada ao jornal espanhol El País umas semanas antes.

Foi asqueroso ver que na cimeira [do Vaticano sobre os abusos sexuais] se falou de tolerância zero. Transparência? Isto é uma crise e deve ser tratada como tal”, afirmou Bannon.

Mas mesmo antes de apanhar o embalo dos escândalos de pedofilia na Igreja, Bannon já há muito que criticava o Papa, nomeadamente devido às suas posições sobre migrantes, ora comparando as famílias que fogem do seu país à Sagrada Família, ora apelando à construção “de pontes e não de muros”. “O Papa é radical na questão dos migrantes, tem pouco apoio público e nada faz além de reforçar o movimento populista”, avisou Bannon em entrevista ao Corriere della Sera no final do ano passado.

E o antigo conselheiro de Donald Trump não parece ficar-se só pelas palavras no que diz respeito à sua influência no Vaticano. Em 2017, como relembra o Source Material, Bannon tornou-se financiador do Instituto Dignitatis Humanae. A organização, que tem sede num mosteiro do século XIII a uma hora de Roma, pretende criar uma espécie de academia da direita, que possa criar intelectuais informados e alinhados. À New Yorker, Bannon comparou o modelo como sendo um espelho da Open Society Foundation do milionário George Soros, que o ex-diretor do Breitbart crê ter formado vários quadros da esquerda mundial.

A ligação ao Vaticano está no facto de Bannon estar a tentar atrair para o Instituto altas figuras do catolicismo mais conservador. O presidente honorário da instituição neste momento é, nada mais nada menos, do que o cardeal Raymond Burke, um dos homens mais críticos do Papa Francisco no Vaticano.

À agência Reuters, o próprio Burke confirmou estar entusiasmado por trabalhar com Bannon “a fim de promover vários projetos que podem trazer um contributo decisivo à defesa daquilo a que costumávamos chamar ‘Cristandade'”. E Burke não é o único membro dos sectores conservadores da Igreja a juntar-se a Bannon: também Austin Ruse, antigo colaborador do Breitbart e presidente do católico Centro pela Família e Direitos Humanos, é um conhecido crítico de Francisco que está no Instituto.

Bannon que, contudo, não defende a resignação de Francisco, também não esconde a sua ligação ao grupo do Vaticano que gostaria de ver o atual Papa longe da condução dos destinos da Igreja. Questionado pelo El País sobre a sua relação com o cardeal Burke, o ideólogo da extrema-direita norte-americana confessou “conhecer esses rapazes”. “Sei que estão desiludidos com o Papa Francisco, que continua a dizer que o maior problema do mundo é o nacionalismo e o populismo em vez dos pedófilos homossexuais ou do Partido Comunista”, comentou ao jornal, referindo-se a um acordo assinado pelo Vaticano com a China. “Aquilo que [o Papa Francisco] está a fazer é horrível.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)