Rádio Observador

País

Secretário de Estado defende “amplo consenso” para a criação de novas freguesias

Carlos Miguel refere que a proposta de lei "está longe de estar acabada", devendo ser trabalhada para alcançar um consenso, e refere que criação de freguesias é tarefa do parlamento.

A lei será aprovada em Conselho de Ministros e enviada para a Assembleia da República

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário de Estado das Autarquias Locais afirmou esta quarta-feira que a proposta de lei do Governo para criação de novas freguesias “é um documento de trabalho”, que visa procurar “amplo consenso” com autarquias e no parlamento.

“É um documento de trabalho, que pretende encontrar um consenso com a Associação Nacional de Freguesias e a Associação Nacional de Municípios Portugueses, tal como tem vindo a ser feito com o processo de descentralização”, disse à agência Lusa Carlos Miguel.

O governante salientou que a proposta de lei “está longe de estar acabada” e deverá ser trabalhada para se procurar um “amplo consenso”, antes de ser aprovada em Conselho de Ministros e enviada para a Assembleia da República.

O secretário de Estado frisou, aliás, que a criação de freguesias é uma matéria da competência do parlamento e que o Governo decidiu contribuir para o debate com a sua proposta de lei.

O presidente da Associação Nacional de Freguesias (Anafre) também admitiu hoje que a proposta de lei do Governo ainda terá de ser trabalhada “na especialidade”, antes de se procurar amplo consenso no parlamento. “A Anafre recebeu a proposta do Governo na terça-feira [da semana passada] e, neste momento, tem um calendário de reuniões internas para analisar o documento, na generalidade e na especialidade, para emitir o seu parecer”, afirmou Pedro Cegonho.

O socialista, que também preside à Junta de Freguesia de Campo de Ourique (Lisboa), explicou que a associação deverá ter concluído o seu parecer à proposta de lei para a criação de novas freguesias durante o mês de maio. “O nosso parecer não é só uma posição de sim ou não e deverá ter propostas para o debate na especialidade”, frisou Pedro Cegonho.

Por se tratar de uma matéria legislativa da reserva de competências do parlamento, o presidente da Anafre salientou que “é importante que a proposta do Governo também dê entrada na Assembleia da República para que possa ter contributos de todos os grupos parlamentares”.

A proposta de lei do Governo que define o regime jurídico de criação de freguesias estabelece que a nova autarquia terá de ter pelo menos 1.150 eleitores e 2% de área do território no município.

O documento admite, no entanto, que nos casos em que a sede da freguesia a criar diste mais de 10 quilómetros em linha reta da sede do município, o número mínimo de eleitores exigido “é reduzido a 600”, mas que o território tem de ser “obrigatoriamente contínuo”.

Pedro Cegonho concedeu que, antes da apresentação da proposta de lei, “houve contactos informais” com o Governo acerca do assunto, “mas não houve qualquer decisão dos órgãos diretivos da Anafre”.

Escusando-se a comentar parcialmente qualquer aspeto da proposta, o presidente da Anafre reconheceu, porém, que a questão prevista de um “automatismo não é nada consensual”.

Em causa está a possibilidade de, em relação às 3.092 freguesias atualmente existentes, terem de no prazo de 10 anos convergir no sentido de cumprirem os critérios de apreciação” previstos na proposta de lei ou, caso contrário, levará à sua eventual agregação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)