Protestos

Protestos dos “coletes amarelos” com menos manifestantes e sem incidentes violentos

Os números de hoje são os mais baixos desde que o protesto começou. Participaram 18.900 manifestantes em todos o país e 1.460 em Paris, segundo números do Ministério do Interior francês.

JULIEN DE ROSA/EPA

Os “coletes amarelos” voltaram hoje às rotundas em França, local onde começou a crescer este movimento contestatário, em novembro, mas o protesto contou com pouca participação e sem incidentes violentos.

No 25.º sábado consecutivo de protestos, participaram 18.900 manifestantes em todos o país e 1.460 em Paris, face aos 23.600 e 2.600, respetivamente, da semana passada, segundo números do Ministério do Interior francês.

Já os “coletes amarelos”, falam em números globais de 40.291 manifestantes, face aos 60.711 do sábado passado, de acordo com a agência de notícias espanhola Efe.

Ainda que os protestantes se mantenham contra o Presidente francês, Emmanuel Macron, assiste-se a uma descida progressiva da participação, com os números de hoje a serem os mais baixos desde que o protesto começou.

Além das marchas nas principais cidades do país, ganharam também protagonismo as concentrações em algumas rotundas, em resposta aos apelos nas redes sociais dos últimos dias.

“Lugares de reunião, de intercâmbio e de organização da luta, a sua tomada parece crucial para a continuação das hostilidades. No segundo aniversário do mandato de Macron, vamos cumprir o pior pesadelo do Governo e juntemo-nos nas rotundas”, lia-se no manifesto.

Nas ruas francesas, as autoridades mantiveram um forte dispositivo de segurança, para evitar os distúrbios que marcaram a manifestação do 1.º de Maio, quando grupos de encapuzados conhecidos como ‘Black blocs’ e alguns “coletes amarelos” entraram em confrontos com as autoridades na capital.

Em Paris, registou-se a detenção de dez pessoas, a maioria de forma preventiva, adiantou a polícia à Efe.

De forma geral, hoje predominou a calma, dado que, para evitar confusões, voltaram a ser proibidas concentrações em pontos da cidade considerados sensíveis, como os Campos Elísios ou a Praça da República.

A mobilização coincidiu com um manifesto publicado no diário “Libération” por mais de 1.400 personalidades do mundo cultural, como as atrizes Juliette Binoche e Emmanuelle Béart, que apoiaram o movimento e criticaram o uso de força por parte da polícia.

Também hoje, vários milhares de pessoas, incluindo muitos “coletes amarelos” participaram numa marcha mundial pela justiça ecológica e social, em Metz, nordeste de França, onde irá decorrer uma reunião de ministros do Ambiente do G7 no domingo e na segunda-feira.

Segundo a polícia, participaram nesta marcha cerca de 3.000 pessoas, mas os organizadores falaram em 4.500 a 5.000, refere a agência France Prece.

A iniciativa foi organizada por um coletivo de 40 associações ambientais e cidadãs, chamado ‘Alter G7’, mas os “coletes amarelos”, críticos da política social e fiscal do Governo, também participaram.

Por isso, muitos elementos policiais foram destacados para o percurso da manifestação, indica a AFP.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)