Eleições Europeias

PSP proíbe candidatura de polícias pelo Basta, que quer impugnar a decisão

1.443

O gabinete jurídico da PSP não permite a candidatura de polícias às eleições europeias. Há dois líderes sindicais na lista do Basta, que podem estar sujeitos a processos disciplinares.

André Ventura lidera a lida do Basta para as eleições europeias

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

De acordo com um parecer do gabinete jurídico da direção nacional da PSP, a que o Observador teve acesso, não será permitida a candidatura de qualquer agente da Polícia de Segurança Pública às eleições europeias. Neste momento, dois líderes sindicais da PSP, Peixoto Rodrigues (Sindicato Unificado da Polícia) e Pedro Magrinho (Federação Nacional dos Sindicatos da Polícia) integram a lista da coligação Basta.

O Tribunal Constitucional terá aprovado a lista do Basta — coligação liderada por André Ventura e que junta o Chega, o Partido Popular Monárquico, o Partido Cidadania e Democracia Cristã e o Democracia 21 — apesar de dois agentes da PSP integrarem a candidatura. Agora, o gabinete jurídico da Polícia de Segurança Pública indica que estes são “inelegíveis para o Parlamento Europeu”, considerando que se aplicam as mesmas normas que proíbem membros da GNR, PSP, PJ, SEF e SIS, por exemplo, de serem eleitos como deputados para a Assembleia da República.

O documento garante que a decisão segue posições anteriores, referindo a proibição de agentes de concorrer às eleições autárquicas. Mas André Ventura, informado do parecer pelo Observador, afirma que a posição da Polícia de Segurança Pública é “incoerente”, pois proíbe os agentes no ativo de se candidatarem por serem forças militarizadas, quando “no passado sempre disseram que a PSP não era uma força militarizada”.

Peixoto Rodrigues e Pedro Magrinho poderão ficar sujeitos a processos disciplinares, apenas podendo manter-se na lista do Basta caso estejam “na situação de licença sem remuneração de longa duração”. Ainda assim o líder da coligação não prevê substituir os polícias candidatos: “Temos a certeza de que temos a lei do nosso lado, e, se chegar a isso, vamos impugnar a decisão em tribunal”.

O Tribunal Constitucional aceitou a lista e agora existe este parecer que inviabiliza. Qual é que vai prevalecer?“, questiona André Ventura, afirmando que o Basta deveria ter sido informado da inelegibilidade dos agentes ao submeter a lista para aprovação. “É mais um contratempo, a 19 dias das eleições”, queixa-se, continuando: “É inaceitável”.

No momento da publicação, a PSP ainda não respondera ao pedido de esclarecimento do Observador, com as seguintes questões:

“Algum agente da PSP foi autorizado a concorrer a atos eleitorais anteriores?

A decisão do gabinete jurídico da PSP pode anular a aprovação da lista pelo Tribunal Constitucional?

A PSP considera-se uma força militarizada?”

Atualização às 18h40: entretanto, e em resposta ao email do Observador, a PSP refere que “relativamente ao presente assunto, a Polícia de Segurança Pública informa não ter qualquer comentário a fazer”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
133

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)