Santana Lopes fez esta quinta-feira a primeira aparição depois do acidente de carro que sofreu a 15 de maio através de uma mensagem em vídeo, onde apelou ao voto no seu partido nas eleições europeias e exigiu que “as coisas mudem na Europa”.

“Quero agradecer a todos aqueles que me trataram a mim e ao Paulo Sande e a todos aqueles que nos acarinharam”, começou por dizer no vídeo. “Mas agora importa seguir para a frente. Dia 26 temos já um desafio importante”, continuou.

Pedro Santana Lopes frisa na sua mensagem a importância de votar este domingo. Promete ainda mudança e apela a que os portugueses confiem no Aliança.

“Domingo até podemos ir à praia, ir ao campo, passear com a família. Mas mas não podemos faltar à obrigação de votar”, apela. “Troque o A de abstenção pelo A de atitude. Pelo A de Aliança. Nós vamos fazer na ação aquilo que estamos a prometer na eleição. É para isso que nascemos, porque para fazer igual a quem já cá está, então não valia a pena termos nascido”, sublinhou Santana.

O líder do Aliança afirma que as eleições ditarão o futuro de Portugal e da Europa nos próximos anos. Santana disse que esta “não é uma altura qualquer” pelo facto de a União Europeia estar a atravessar “imensas dificuldades”. “Há muitas questões em aberto. E há falta de uma liderança”, afirmou.

O ex-primeiro-ministro português afirmou que a atitude de Portugal em Bruxelas tem de mudar. “Pode-se ser europeísta e exigir que as coisas mudem na Europa. Aliás, têm de mudar!”, frisou, dizendo que é inútil o voto que mantenha Estrasburgo em Bruxelas.

Santana Lopes aponta ainda o dedo a Bruxelas pela situação de Portugal. “Continuamos cada vez mais em baixo (no nível de vida)”, disse. O candidato diz que quem chegar ao parlamento europeu — seja “deputado, técnico superior, membro do governo” — deve ter “a capacidade, a coragem, a ousadia, a força de olhar olhos nos olhos” os dirigentes europeus e dizer “‘nós somos parte do projeto europeu, nós temos o direito de atingir o nível de vida médio dos cidadãos europeus'”.

Para atingir o nível de vida desejado, Santana Lopes define metas para Portugal “chegar lá rapidamente”. O líder do Aliança fala na necessidade de reduzir os impostos, sobretudo em relação aos casais que queiram constituir família e criar um clima propício ao investimento de empresas. Santana fala na “redução da burocracia, das cargas, das exigências, do tempo de espera de quem queira investir, criar emprego, de quem queira criar mais riqueza e produtividade”.