Rádio Observador

Futebol

Petr Cech despediu-se do futebol sem um último título e agora deve trocar o capacete e as luvas pelo fato e a gravata

323

O guarda-redes fez o último jogo da carreira e a imprensa inglesa garante que vai voltar ao Chelsea para ser diretor. Cech, o homem do capacete, despede-se enquanto figura de uma era em Inglaterra.

O guarda-redes de 37 anos representou a seleção da República Checa em mais do que 100 ocasiões

Getty Images

Não era uma surpresa: Petr Cech anunciou em janeiro que iria terminar a carreira no final da temporada. A surpresa, essa, foi o facto de o Arsenal ter chegado à final da Liga Europa, o que adiou o adeus do guarda-redes para a final da segunda competição europeia de clubes, esta quarta-feira. Em Baku, contra o Chelsea, o checo foi titular — algo raro durante a época, já que foi constantemente suplente de Leno –, numa decisão que foi totalmente atribuída a Unai Emery e que terá como explicação a vontade de oferecer ao guarda-redes uma despedida especial. Afinal, Cech estava a despedir-se do futebol contra a equipa que representou durante 11 anos e da qual é um autêntico símbolo. E este cocktail não agradou a toda a gente.

Nas redes sociais, os adeptos do Arsenal mostraram-se descontentes com a escolha de Petr Cech para o lugar titular na baliza dos gunners. Não necessariamente pelo guarda-redes ter jogado no Chelsea — pormenor que nunca foi um problema nas ocasiões em que os dois clubes se encontraram nas competições internas — mas principalmente pelas notícias que saíram ao longo da semana passada. Na altura, a Sky Sports garantiu que o agora ex-jogador de 37 anos vai assumir as funções de diretor para o futebol do Chelsea já na próxima temporada, o que levou os adeptos do Arsenal a equacionar desde logo um conflito de interesses à volta do guarda-redes: Cech estaria a defender a equipa que vai deixar contra a equipa onde esteve durante mais de uma década e onde vai voltar já em agosto.

Rápido e ágil, como sempre foi entre os dois postes, o checo apressou-se a reagir às notícias. “Apesar das notícias, e como já disse anteriormente a toda a gente, vou tomar a decisão sobre o meu futuro depois do último jogo. Agora o meu único foco é ganhar a Liga Europa com o Arsenal”, escreveu Cech no Twitter, numa declaração sensata e com boas intenções que não sossegou os adeptos da equipa orientada por Unai Emery.

Rumores à parte, a verdade é que Petr Cech se despediu esta quarta-feira dos relvados e acabou por ver o derradeiro jogo da carreira ser algo ofuscado pelos quatro golos que sofreu e pela derrota pesada do Arsenal contra o Chelsea. O guarda-redes termina um percurso recheado de títulos sem conquistar o último possível e não conseguiu conter as lágrimas no relvado do Olímpico de Baku, enquanto esperava para receber a medalha de finalista vencido. Mais de 100 vezes internacional pela seleção da República Checa, Cech diz adeus ao futebol enquanto uma das figuras maiores das balizas no século XXI e com um palmarés digno de inveja que inclui cinco Premier Leagues, cinco Taças de Inglaterra, uma Liga dos Campeões e uma Liga Europa. Será sempre recordado pelo capacete de proteção que passou a usar depois de um susto em 2006 com o Reading — mas agora deve trocar o capacete pela gravata e as balizas pelas salas de reuniões. O ar sério e concentrado, esse, manter-se-á.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)