Não era uma surpresa: Petr Cech anunciou em janeiro que iria terminar a carreira no final da temporada. A surpresa, essa, foi o facto de o Arsenal ter chegado à final da Liga Europa, o que adiou o adeus do guarda-redes para a final da segunda competição europeia de clubes, esta quarta-feira. Em Baku, contra o Chelsea, o checo foi titular — algo raro durante a época, já que foi constantemente suplente de Leno –, numa decisão que foi totalmente atribuída a Unai Emery e que terá como explicação a vontade de oferecer ao guarda-redes uma despedida especial. Afinal, Cech estava a despedir-se do futebol contra a equipa que representou durante 11 anos e da qual é um autêntico símbolo. E este cocktail não agradou a toda a gente.

Nas redes sociais, os adeptos do Arsenal mostraram-se descontentes com a escolha de Petr Cech para o lugar titular na baliza dos gunners. Não necessariamente pelo guarda-redes ter jogado no Chelsea — pormenor que nunca foi um problema nas ocasiões em que os dois clubes se encontraram nas competições internas — mas principalmente pelas notícias que saíram ao longo da semana passada. Na altura, a Sky Sports garantiu que o agora ex-jogador de 37 anos vai assumir as funções de diretor para o futebol do Chelsea já na próxima temporada, o que levou os adeptos do Arsenal a equacionar desde logo um conflito de interesses à volta do guarda-redes: Cech estaria a defender a equipa que vai deixar contra a equipa onde esteve durante mais de uma década e onde vai voltar já em agosto.

Rápido e ágil, como sempre foi entre os dois postes, o checo apressou-se a reagir às notícias. “Apesar das notícias, e como já disse anteriormente a toda a gente, vou tomar a decisão sobre o meu futuro depois do último jogo. Agora o meu único foco é ganhar a Liga Europa com o Arsenal”, escreveu Cech no Twitter, numa declaração sensata e com boas intenções que não sossegou os adeptos da equipa orientada por Unai Emery.

Rumores à parte, a verdade é que Petr Cech se despediu esta quarta-feira dos relvados e acabou por ver o derradeiro jogo da carreira ser algo ofuscado pelos quatro golos que sofreu e pela derrota pesada do Arsenal contra o Chelsea. O guarda-redes termina um percurso recheado de títulos sem conquistar o último possível e não conseguiu conter as lágrimas no relvado do Olímpico de Baku, enquanto esperava para receber a medalha de finalista vencido. Mais de 100 vezes internacional pela seleção da República Checa, Cech diz adeus ao futebol enquanto uma das figuras maiores das balizas no século XXI e com um palmarés digno de inveja que inclui cinco Premier Leagues, cinco Taças de Inglaterra, uma Liga dos Campeões e uma Liga Europa. Será sempre recordado pelo capacete de proteção que passou a usar depois de um susto em 2006 com o Reading — mas agora deve trocar o capacete pela gravata e as balizas pelas salas de reuniões. O ar sério e concentrado, esse, manter-se-á.