Rádio Observador

Peugeot

Aponta ao Zoe. Peugeot e-208 já tem preços

141

A Peugeot anunciou os preços para o seu primeiro utilitário a bateria. No mercado francês, o e-208 é proposto por valores equivalentes aos do eléctrico mais vendido em França, o Renault Zoe.

O novo Peugeot e-208 pode agora ser encomendado nos stands da marca em França, apresentando-se aos clientes com quatro níveis de equipamento e preços desde 32.100€, segundo o L’Argus. Ou seja, nem mais nem menos do que o valor que também a Renault pede pela versão de entrada do Zoe, com aquisição das baterias (City R90 Achat Intégral 2019).

Com este posicionamento, a Peugeot aponta claramente ao utilitário 100% eléctrico que mais vende na Europa e em França, país onde o Zoe se orgulha de possuir uma taxa de satisfação dos clientes de 90% – a melhor em toda a gama da marca do losango. Para já, esta estratégia coloca o Peugeot numa posição de vantagem face ao Renault, oferecendo mais por igual valor. Por enquanto.

ACTIVE ALLURE GT GT LINE
e-208 32.100 € 33.300 € 35.600 € 37.150 €

No mercado desde 2012, o Zoe está prestes a apresentar a sua segunda geração, tudo indicando que o fará com ganhos em matéria de autonomia, sem que o preço seja agravado. Mas, no imediato, o eléctrico da Renault perde para o rival do leão. Além de usufruir do factor “novidade” – a segunda geração do 208 foi apresentada em Fevereiro, na última edição do Salão de Genebra –, a versão 100% eléctrica do compacto do segmento B da Peugeot conta com um motor de 136 cv e 260 Nm, alimentado por um pack de baterias de 50 kWh, com uma garantia de oito anos ou 160.000 km. Enquanto isso, o Zoe R90 debita 92 cv e 225 Nm, sendo alimentado por um pack de acumuladores de 41 kWh. Além de menos potente, perde também na autonomia, pois se o e-208 pode percorrer até 340 km com uma carga completa, o Zoe actual não vai além dos 300 km, sempre em WLTP. Depois, o Peugeot aceita carga rápida, o que significa que num posto a 100 kW, meia hora bastará para efectuar 80% do recarregamento. Já as recargas do rival, por standard, limitam-se a 22 kW. Isto fica-se a dever ao facto da Renault ter optimizado o Zoe para recargas ligadas à ficha lá de casa (AC a 220 V e 10A ou 16A), apesar de existir uma versão do Zoe, com o motor Q90, que permite carga rápida a 43 kW.

Em termos de performance, o e-208 reclama 150 km/h de velocidade máxima, enquanto o Zoe não excede os 135 km/h. Curiosamente, apesar de se tratar de uma proposta menos recente, a Renault consegue que o seu utilitário seja mais eficiente que o novo e-208, com o Zoe a registar um consumo médio de 13,3 kWh/100 km contra os 14,7 do Peugeot, isto tendo em conta a capacidade anunciada para a bateria e a respectiva autonomia.

Resta ver como a Renault vai responder à concorrência. Tanto mais que os preços do Opel Corsa-e, tecnicamente igual ao e-208, são já conhecidos na Alemanha. Nesse mercado, que em termos de impostos pouco diverge do francês, o eléctrico alemão é comercializado por valores a partir de 29.900€. Porém, as entregas arrancam apenas em Janeiro de 2020 – altura em que a Renault também já deve ter na rua a segunda geração do Zoe.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)