Rádio Observador

Basquetebol

Oliveirense faz recuperação, vai a prolongamento, vence Benfica na Luz e fica a um triunfo do título

Após vitórias repartidas em Oliveira de Azeméis, Benfica teve jogo na mão no tempo regulamentar e no prolongamento mas Oliveirense ganhou na Luz (87-82) e ficou a um triunfo da revalidação do título.

Micah Downs voltou a ser o melhor marcador do Benfica mas no final foi Thomas De Thaey que levou a melhor no jogo 3

Filipe Amorim / Global Imagens

O duplo confronto em Oliveira de Azeméis que começou esta final acabou por confirmar a tendência entre Oliveirense e Benfica na presente temporada: pode haver maior ou menor diferença no resultado mas o equilíbrio e imprevisibilidade são sempre uma garantia, com o campeão em título e os encarnados a ganharem três encontros cada para o Campeonato (houve ainda um sétimo jogo, na final da Taça Hugo dos Santos, com vantagem do conjunto de Aveiro). Também por isso, o jogo 3 da série decisiva que chegava à Luz empatada teria grande importância nas contas finais do título e como que “mexeu” com as estratégias dos dois conjuntos, acabando por ser decidido apenas no prolongamento a favor da Oliveirense por 87-82.

O Benfica teve um início de jogo falhado, ficando mais de quatro minutos em branco com James Ellisor e Thomas De Thaey a colocarem a Oliveirense na frente com um parcial de 6-0. Gladness conseguiu depois quebrar esse enguiço mas a boa defesa dos visitantes continuava a fazer a diferença, com Carlos Lisboa a parar o encontro com os encarnados a terem apenas seis pontos em sete minutos de jogo, num arranque ainda pior no plano ofensivo do que na primeira partida desta série final em Oliveira de Azeméis (14-6). Travante Williams, a fechar o primeiro período (17-12), e Marko Loncovic, logo a abrir o segundo (20-12), aumentaram de novo a vantagem com lançamentos exteriores, voltando aos oito pontos de diferença.

No entanto, a tendência do encontro acabaria por mudar: com Micah Downs a assumir mais o jogo ofensivo das águias e a defesa a melhorar substancialmente sobretudo na zona mais próxima das tabelas, o Benfica foi conseguindo aproximar-se (apesar de ter havido mais uma fase com oito pontos de diferença, a 29-21), conseguiu empatar a dois minutos do intervalo com um lançamento longo de Fábio Lima e passou mesmo para a frente num lance onde Downs converteu um triplo e a equipa ficou com posse por falta na zona do garrafão, permitindo a Tomás Barroso fazer mais dois pontos. No descanso, 34-32 para os visitados, com a Oliveirense a marcar apenas um cesto e um lance livre nos últimos três minutos do segundo período.

Depois do reatamento, as percentagens de lançamento continuaram abaixo dos jogos anteriores desta final mas seria o Benfica, mais agressivo na luta das tabelas, a conseguira a sua maior vantagem no jogo a meio do terceiro período (43-38), pouco antes de um lance onde Travante Williams teve de sair com uma ferida na cara num lance com Micah Downs. A Oliveirense ainda reduziu, aproveitando duas situações de falta intencional com dois lances livres e posse de bola, saindo a perder por apenas dois pontos para o derradeiro período (47-45) e deixando tudo em aberto para essa parte final do encontro.

Mais uma vez, o fator desequilibrador desta série voltou a aparecer: Micah Downs. Miguel Maria, não só por um triplo marcado num momento importante (56-49) mas também pela dinâmica ofensiva que conseguiu promover, foi importante para a melhoria dos encarnados mas o americano contratado este ano pelo Benfica aos russos do Avtodor Saratov – e que antes passara por outras ligas europeias como Bélgica, Espanha, Ucrânia, Itália ou França – fez a diferença na linha de lance livre e nos lançamentos exteriores, voltando à casa dos 30 pontos como no jogo 1 da final. Coleman ainda foi mantendo a Oliveirense no jogo (com três jogadas quase seguidas a marcar e sofrer falta) mas mais um triplo de Downs colocou o resultado em 66-58 a cerca de três minutos e meio do final. Era a maior vantagem mas, num final eletrizante, não seria suficiente para fechar o encontro.

A Oliveirense reduziu para 67-65 num ressalto ofensivo de De Thaey, passou mesmo para a frente por 71-70, houve depois uma pausa para avaliação de VAR que inverteu (bem) uma decisão, Cantero marcou apenas um lançamento livre em duas tentativas e Ellisor teve nas mãos aquela que poderia ser a bola decisiva, falhando uma tentativa a dois segundos do final e levando o jogo para prolongamento (71-71). No tempo extra, um triplo de Tomás Barroso a abrir e a eficácia nos lances livres voltou a colocar o Benfica na frente (78-71) nos dois minutos iniciais mas José Barbosa agarrou da melhor forma na batuta da partida e, entre lançamentos de dois pontos e lances livres, voltou a virar todas as contas a pouco menos de dois minutos do final (79-78). Nas posses decisivas, Micah Downs fez uma falta ofensiva, o conjunto de Aveiro foi mais forte e acabou por ganhar por 87-82 um jogo que o Benfica teve na mão quando teve uma vantagem de oito pontos na parte final do último período e de sete no tempo extra, ficando a um triunfo da revalidação do título. O jogo 4 realiza-se também na Luz na segunda-feira, às 19h30.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)