Rádio Observador

Ébola

Ébola: cientistas dos EUA descobrem dois tratamentos eficazes para combater o vírus

A investigação revelou que os tratamentos experimentais com base de 'Remdesivir' (antiviral) e 'ZMapp' (anticorpos) "bloquearam o crescimento de microrganismos do vírus".

Desde o início da epidemia na RD Congo foram registados 2.428 casos, dos quais 2.334 confirmados em laboratório e 94 prováveis

JENS BUETTNER/EPA

A agência Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos da América (EUA) descobriu em testes laboratoriais que dois tratamentos são eficazes para combater o atual surto do vírus do Ébola na República Democrática do Congo (RDCongo).

Os resultados dos testes feitos em laboratório foram divulgados na terça-feira pela organização Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla inglesa).

A investigação realizada pelos cientistas da CDC, cujos resultados foram divulgados na publicação especializada ‘Lancet Infections Diseases’, mostra que os tratamentos experimentais com base de ‘Remdesivir’ (antiviral) e ‘ZMapp’ (anticorpos) “bloquearam o crescimento de microrganismos do vírus que causa o Ébola nas células humanas em laboratório”.

De acordo com o comunicado divulgado pela CDC, os resultados sugerem que “estes tratamentos são promissores para os pacientes se recuperarem da doença mortal, que segundo o Ministério da Saúde da RDCongo até segunda-feira causou 1.641 mortes.

No mesmo documento, os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA referem que as investigações permitiram verificar que os testes laboratoriais desenvolvidos durante o surto do Ébola na África Ocidental no período de 2014-2016 e que foram usados em pessoas para identificar o vírus do Ébola na RD Congo e nos países vizinhos estão corretos.

Os cientistas denominaram os testes laboratoriais realizados de “Estirpe Ituri” e foram desenvolvidos para identificar uma estirpe diferente do vírus do Ébola.

O vírus do Ébola tem na sua constituição o Ácido Ribonucleico (RNA) como único material genético e “está sempre em mutação”, referiu Laura McMullan, microbiologista da CDC e principal autora do estudo.

“É de vital importância garantir que haja tratamentos contra o vírus [Ébola] que está a deixar as pessoas doentes agora”, acrescentou.

Para levar a cabo a sua investigação, e tendo em conta a falta de amostras de pacientes infetados, os cientistas da CDC reconstruíram o vírus em laboratório usando a “genética inversa” e o nível 4 de segurança, o maior em termos de biossegurança.

Ao ter acesso à estirpe do vírus, os investigadores puderam perceber melhor a “Estirpe Ituri” e como esta se encaixa na família do vírus do Ébola, o que pode fornecer pistas para encontrar “tratamentos promissores adicionais”.

“Este trabalho tem benefícios além do estudo atual, ter acesso a este vírus irá permitir-nos explorar se outros compostos ou terapias potenciais afetam o vírus no laboratório”, disse Inger Damon, diretor de estratégia para o Ébola na RD Congo.

“Esperamos que o conhecimento adquirido a partir deste trabalho possa ser traduzido em tratamentos seguros e eficazes para ajudar a curar pacientes [com] Ébola”, refere, no mesmo comunicado.

O último balanço do surto do Ébola na RD Congo, divulgado na terça-feira, datado do dia 8 de julho, indica que desde o início da epidemia foram registados 2.428 casos, dos quais 2.334 confirmados em laboratório e 94 prováveis. No total, registaram-se 1.641 mortes.

A RD Congo já foi atingida nove vezes pelo Ébola, depois da primeira manifestação do vírus no país africano, em 1976.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)