A barragem de Quati, no Brasil, perto das cidades de Pedro Alexandre e Coronel João Sá, encheu devido às fortes chuvas na região. Não há registo de feridos, mas há casas em risco e as cidades  já começaram a alagar. Segundo o Globo, que avançou a notícia, as cerca de 34 mil pessoas que vivem nas cidades de Pedro Alexandre e Coronel João Sá, perto da barragem, estão a ser retiradas. No Instagram, o presidente da Câmara de João Sá, deixou um mensagem: “Peço encarecidamente que todas as pessoas que moram em área de risco que saiam das suas casas”.

[A mensagem em vídeo do presidente da câmara de Coronel João Sá]

“Pessoal, a barragem do Quati estourou. É uma situação atípica. Nunca aconteceu isso com essa barragem. Nós não sabemos as consequências. Eu peço encarecidamente que todas as pessoas que moram em área de risco que saiam das suas casas, que peguem seus documentos pessoais, peguem seus objetos de valores, o que puderem levar. A gente não sabe as consequências, nunca passamos por ela. É melhor prevenir. Estou monitorando. Todas as escolas já estão disponíveis para receber as pessoas”, disse o responsável municipal. O número de emergência é o (75) 99987-3419.

[Um vídeo partilhado no YouTube o movimento das águas na região]

A água deve chegar à cidade de Pedro Alexandre em poucas horas. Cerca de 120 famílias que moram ao pé do rio do Peixe, que transbordou devido à enchente na barragem, estão a ser deslocadas. Há vários moradores que estão a recusar-se sair das casas. As autoridades têm ordens para que as autoridades possam entrar em residências para ordenar a evacuação. A estrada que liga a Bahia e Sergipe está inundada.

A câmara de Pedro Alexandre já decretou o estado de situação de emergência e calamidade pública. O decreto refere que a decisão foi tomada “considerando o volume de água que tomou a cidade, causando inundações, enxurradas, alagamentos que ocasionaram danos materiais em residências, vias públicas, pontes e equipamentos públicos diversos”.

Em Quati, onde está a barragem, já há casas que foram completamente submersas pela lama. No início do ano, a barragem do Brumadinho rebentou e morreram mais de 150 pessoas.

Estado de emergência decretado em mais um município brasileiro

Na sequência da rutura da bagagem do Quati na quinta-feira, além da câmara de Pedro Alexandre, também a câmara de Coronel João Sá, decretou o estado de emergência e calamidade pública. “Considerando as chuvas na região que ocasionou o rompimento da barragem conhecida como “Barragem do Quati”, situada no município de Pedro Alexandre, e que o município de Coronel João Sá encontra-se no caminho das águas oriundas da barragem (…) é declarada situação de emergência e calamidade pública no município”, diz o documento publicado no Diário Oficial daquela cidade, assinado pelo prefeito Carlinhos Sobral.

Segundo Carlinhos Sobral, parte da cidade, que fica nas margens do Rio do Peixe, está inundada e só hoje as águas começaram a baixar. O governante declarou à imprensa local que 500 famílias estão desabrigadas e que estão a ser atendidas no ginásio local. “Felizmente não foi registado nenhum caso de morte. Algumas pessoas tiveram ferimentos ligeiros”, disse Carlinhos Sobral à Agência Brasil.

No entanto, e apesar de não se terem registado perdas humanas, o autarca frisou que precisa de ajuda, uma vez que a força da chuva e lama danificou pontes, estradas e algumas residências. A cidade de Coronel João de Sá, localizada a cerca de 450 quilómetros de Salvador, capital do estado da Baía, e a 30 quilómetros da barragem que cedeu, disponibilizou várias escolas para abrigar os moradores.

Atualizado sexta-feira às 17h48