Rádio Observador

Crime

A$AP Rocky libertado da prisão enquanto aguarda sentença por agressão

O rapper de 30 anos e os dois amigos estavam presos desde o início de julho. Tribunal sueco decretou libertação enquanto veredito ainda não é conhecido. Músico está autorizado a regressar aos EUA.

A$AP Rocky foi detido em Estocolmo após ter sido filmado numa altercação física

Getty Images

O rapper norte-americano A$AP Rocky foi libertado, esta sexta-feira, pelo Tribunal de Estocolmo, da prisão onde estava detido desde o início de julho. O tribunal autorizou o músico de 30 anos a sair da Suécia enquanto aguarda a sentença por agressão, que deve ser conhecido a 14 de agosto, segundo a CNN.

Ainda de acordo com o mesmo órgão de comunicação, os procuradores pediram uma pena de prisão de seis meses, mas os juízes discordaram. As duas pessoas que foram acusadas juntamente com Rakim Mayers — nome de baptismo do músico — também saíram em liberdade.

Entretanto, Donald Trump — que já tinha pedido a liberdade do cantor e afirmou estar desiludido com o primeiro-ministro sueco — já reagiu à notícia. “Foi uma semana agitada, anda para casa depressa A$AP”, escreveu o presidente norte-americano, fazendo um trocadilho com o nome artístico do músico.

A$SAP Rocky foi detido no início de julho após ter sido filmado numa altercação física em Estocolmo. Na altura, a detenção causou polémica, indignando os seus fãs. O cantor e rapper teve de cancelar concertos e declarou-se como inocente, alegando ter agido apenas em sua defesa, após ter sido alegadamente provocado nas ruas de Estocolmo. No Instagram, Rakim Mayers publicou vários vídeos registados no dia da altercação que originou as acusações, nos quais afirmava estar a ser perseguido por dois rapazes que surgiam nas câmaras.

Contudo, o procurador Daniel Suneson disse esta sexta-feira que os três acusados não agiram em defesa própria. “Vemos três pessoas a dar pontapés e a esmurrar uma pessoa deitada”, declarou o procurador em tribunal, citado pela CNN. “No meu ponto de vista, os três deviam ser condenados por agressão”, concluiu. 

Segundo a lei da Suécia, a pena máxima para este tipo de crimes são dois anos de prisão. Os três homens disseram em tribunal que aceitariam fazer serviço comunitário, mas Daniel Suneson disse que essa pena não seria uma opção.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)