Rádio Observador

Conflitos

Human Rights Watch denuncia abusos cometidos por grupos armados contra colombianos e venezuelanos

Desaparecimentos, assassínios, violência sexual, recrutamento de crianças e deslocamento forçado são denunciados num relatório da Human Rights Watch.

De acordo com a HRW, a violência e os abusos aumentaram em Catatumbo

CHRISTIAN ESCOBAR MORA/EPA

Grupos armados cometeram abusos graves contra civis colombianos e venezuelanos enquanto combatem pelo controlo da região de Catatumbo, no nordeste da Colômbia, denunciou a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) num relatório divulgado esta quinta-feira.

“A Guerra em Catatumbo: Abusos cometidos por grupos armados contra civis, incluindo exilados venezuelanos no nordeste da Colômbia” é a designação do relatório de 64 páginas que relata desaparecimentos, assassínios, violência sexual, recrutamento de crianças e deslocamento forçado do Exército de Libertação Nacional (ELN), do Exército Popular de Libertação (EPL) e de um grupo que surgiu das desmobilizadas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Segundo a HRW, os grupos armados também procuraram controlar a população local através de ameaças, abrangendo líderes comunitários e defensores dos direitos humanos, alguns dos quais foram mortos.

As vítimas deste abuso incluem venezuelanos que atravessam a fronteira para a Colômbia na esperança de encontrar comida, medicamentos e trabalho, fugindo da crise humanitária e dos direitos humanos no seu país. Desesperados e muitas vezes sem documentação, esses venezuelanos acabam nas mãos de grupos guerrilheiros tornando-se vítimas do conflito armado em curso na Colômbia.

Dados do Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) indicam que pelo menos 25.000 venezuelanos vivem em Catatumbo.

“Enquanto grupos armados lutam pelo vazio deixado pelas FARC em Catatumbo, centenas de civis foram afetados pelo conflito”, indicou José Miguel Vivanco, diretor para as Américas da HRW.

“Os venezuelanos que estão a fugir da emergência humanitária no seu próprio país estão a ser apanhados nesta ligação entre guerra e fuga desesperada”, acrescentou Vivanco.

De acordo com a HRW, a violência e os abusos aumentaram em Catatumbo, desde que os guerrilheiros das FARC se desmobilizaram em 2017 como parte do seu acordo de paz com o Governo colombiano.

Para esta ONG, o Governo da Colômbia não está a cumprir as suas obrigações de proteger e reivindicar os direitos dos civis que são vítimas do conflito entre grupos armados.

Estatísticas do Governo mostram que em Catatumbo, mais de 40 mil pessoas foram deslocadas das suas casas desde 2017, a maioria em 2018. No mesmo ano, em 2018, e segundo o OCHA, 109 pessoas, que consideraram civis, foram mortas por grupos armados.

“Os líderes comunitários têm um papel fundamental para dar voz às vítimas de abuso e ajudar a restabelecer o estado de direito em áreas remotas da Colômbia”, salientou o diretor para as Américas da HRW.

Para Vivanco “o Governo colombiano deve aumentar os seus esforços para proteger” as vítimas e “garantir que os envolvidos nesses assassínios sejam responsabilizados”.

No relatório, a HRW revelou ainda que crianças de até 12 anos foram forçadas a juntarem-se a um grupo armado, após membros do grupo ameaçarem matá-las ou aos seus familiares.

Até ao momento, as autoridades colombianas não conseguiram garantir justiça pelos abusos cometidos por grupos armados.

Em abril de 2019, havia mais de 770 casos relacionados a assassínios ocorridos em Catatumbo desde 2017. Houve condenações em 61 casos e apenas dois membros de grupos armados foram condenados por homicídio, segundo a Procuradoria-Geral da República.

Em abril de 2019, a Human Rights Watch entrevistou mais de 80 pessoas, incluindo vítimas de abuso, os seus familiares, líderes comunitários, representantes da igreja, responsáveis dos direitos humanos, autoridades locais e judiciais e membros de organizações humanitárias e de direitos humanos que trabalham na área.

Esta organização de defesa dos direitos humanos também analisou relatórios oficiais e estatísticas, publicações de organizações não-governamentais e internacionais, e testemunhos escritos dados a responsáveis do Governo por quase 500 vítimas de abusos cometidos no contexto dos conflitos armados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)