Jürgen Klopp é um daqueles treinadores que é mais coração do que cabeça. Não que não tenha noções táticas e técnicas claras, não que não administre as suas equipas com pulso de ferro, não que não seja exímio na interpretação do adversário, da preparação do jogo e na adaptação às circunstâncias. Ainda assim, e mesmo tendo em conta tudo isto, Jürgen Klopp nunca deixa de acreditar. Foi a acreditar que deu a volta a uma eliminatória da Liga dos Campeões aparentemente impossível contra o Barcelona; foi a acreditar que venceu a final dessa mesma Liga dos Campeões e superou o desaire da temporada anterior; e foi a acreditar até ao fim, mesmo não atingindo o objetivo, que levou o Liverpool à discussão da Premier League até ao último segundo. O treinador alemão acredita — e quem acredita, normalmente, tem as suas manias.

E uma delas, ao que parece, teve o seu fim precisamente no dia da final da Liga dos Campeões, no fim de maio, quando os reds venceram o Tottenham no Wanda Metropolitano e encerraram um jejum de títulos que durava há sete anos. Quando chegou a Liverpool, em 2015, Jürgen Klopp proibiu os jogadores de tocarem na mítica placa onde lê “This Is Anfield”, Isto é Anfield, em português, que está mesmo à entrada do relvado do estádio do clube inglês. “Disse aos meus jogadores que não vão lá tocar até ganharem alguma coisa. É um sinal de respeito. Eu toquei quando era treinador do Borussia Dortmund e perdemos 4-0”, explicou o treinador sensivelmente um ano depois de assumir o comando técnico do clube, substituindo Brendan Rodgers. Até à chegada do alemão, tocar na placa antes de entrar no relvado era quase uma superstição de todos os jogadores que passavam pelo Liverpool — mas de 2015 até agora, durante quatro anos, ninguém estava autorizado a passar a mão na moldura.

Mas passaram quatro anos. E quatro anos depois, o Liverpool conquistou a Liga dos Campeões e colocou um fim à regra de Jürgen Klopp. Esta sexta-feira, na jornada inaugural da Premier League contra o Norwich, o capitão Henderson foi o primeiro a confirmar que a proibição tinha sido levantada e tocou na placa antes de entrar no estádio. Uns metros atrás, Wijnaldum foi o único dos restantes colegas que se atreveu a repetir o gesto, partilhando depois o momento nas redes sociais. “O patrão não nos deixava tocar no símbolo até ganharmos um troféu. Chegou a hora”, escreveu o internacional holandês. E no dia em que a regra terminou, o Liverpool goleou o Norwich por 4-1 e abriu com chave de ouro a nova época.