Rádio Observador

Titanic

As primeiras imagens do Titanic em 15 anos mostram que o navio está a desaparecer no oceano

1.488

Foi a primeira vez em quase 15 anos que uma equipa desceu ao fundo do oceano para visitar o Titanic. E as imagens são "chocantes": o navio está a deteriorar-se e pode desaparecer num futuro próximo.

Os mergulhadores detetaram um colapso parcial do casco do navio

Atlantic Productions

“O Titanic está a ser devolvido à natureza”. É desta forma que os cientistas e mergulhadores que visitaram e recolheram imagens do famoso navio pela primeira vez em quase 15 anos descrevem o que se está a passar. O Titanic está a deteriorar-se rapidamente e há importantes partes dos destroços que já desapareceram completamente.

O navio naufragou há 107 anos ao largo da costa do Canadá e está a enferrujar num “isolamento silencioso”, a mais de 3.8 quilómetros de profundidade. Os mergulhadores detetaram um colapso parcial do casco do Titanic, pondo em risco os famosos aposentos do capitão do navio e todos os quartos de luxo. A banheira do capitão, uma imagem querida dos entusiastas da história do Titanic, já não existe.

Nesta imagem é possível ver a banheira dos aposentos do capitão. A fotografia é de uma expedição realizada em 1996. Desde então, a banheira desapareceu completamente

Todo o convés está a colapsar, levando atrás os quartos principais. E a deterioração vai continuar a progredir”, lamenta Parks Stephenson, historiador que participou no mergulho.

Citado pela BBC, Stephenson descreve o processo de deterioração do Titanic como “chocante” e diz que a próxima estrutura a colapsar pode ser o telhado do compartimento interior.

Mas porque estamos a perder o Titanic, aquele que em tempos foi o maior navio do mundo? As correntes fortes, a corrosão causada pelo sal e as bactérias que consomem metal estão na origem do problema. Os micróbios que estão a “comer” os destroços enfraquecem a estrutura do navio, explica a cientista e perita em ambiente marítimo Clare Fitzsimmons, da Universidade de Newcastle. Isto leva a que os fragmentos fiquem cada vez mais finos, transformando-se num pó que as correntes tratam de arrastar e destruir. Ainda assim, e apesar dos estragos em todo o navio, o vidro das escotilhas está bem preservado. 

Lembra a Science Alert que estudos apontam para o desaparecimento total do Titanic até 2030. Para trás, pode ficar nada mais que uma “mancha de ferrugem no fundo do Atlântico”.

Os cientistas responsáveis pela recolha das primeiras imagens 4K do Titanic fizeram um total de cinco mergulhos em agosto, com um submersível. Trata-se da mesma equipa que, em maio, realizou o mergulho mais profundo de sempre, ao descer à Fossa das Marianas.

Para além das primeiras filmagens de alta resolução do navio — que podem mesmo ser as últimas — a equipa recolheu imagens dos destroços que vão permitir recriações do Titanic em 3D, em realidade virtual e aumentada. Estas reconstruções virtuais poderão ser a única forma de, no futuro, ver e estudar este histórico navio.

Os destroços são o único testemunho que temos do desastre do Titanic. Todos os sobreviventes já morreram. Por isso, acho importante recorrer aos destroços, enquanto os destroços ainda têm algo a dizer”, comentou o historiador Robert Blyth.

Os mergulhadores aproveitaram ainda os mergulhos para prestar homenagem com uma coroa de flores aos mais de 1.500 passageiros que, naquela noite de abril de 1912, morreram no naufrágio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcasanova@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)