Rádio Observador

Vladimir Putin

Putin anuncia “resposta simétrica” ao ensaio de míssil dos Estados Unidos

O Presidente russo afirma que serão tomadas "medidas exaustivas no sentido da preparação de respostas simétricas". Putin diz que o ensaio de míssil "confirma as anteriores preocupações" da Rússia.

Vladimir Putin garante, no entanto, que a Rússia se mantém aberta ao "diálogo construtivo" com os Estados Unidos

SERGEI ILNITSKY/EPA

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou esta sexta-feira uma “resposta simétrica” em relação ao recente teste de um míssil de médio alcance norte-americano, o primeiro desde o fim da Guerra Fria.

Ordenei aos ministérios russos da Defesa e dos Negócios Estrangeiros para analisarem o nível de ameaça criada pelos Estados Unidos para que sejam tomadas medidas exaustivas no sentido da preparação de respostas simétricas”, disse Putin após uma reunião do Conselho de Segurança, em Moscovo.

Segundo o Pentágono, o teste militar norte-americano efetuado no domingo na ilha de San Nicolas, ao largo da Califórnia, ocorre um mês depois do fim do Tratado de Desarmamento (INF) que abolia o uso, por Washington e Moscovo, de mísseis terrestres com alcance entre os 500 e os 5.500 quilómetros. Os Estados Unidos e a Rússia abandonaram o tratado depois de acusações mútuas sobre violações do acordo.

Além da Rússia, a República Popular da China condenou igualmente o ensaio norte-americano argumentando que pode “provocar a escalada das tensões militares” e o relançamento da corrida ao armamento.

“É evidente que (o ensaio do míssil norte-americano) não foi resultado de um improviso, mas sim de uma série de acontecimentos planificados há muito tempo”, acrescentou o Presidente russo. “Este acontecimento confirma as nossas anteriores preocupações”, sublinhou Putin.

Mesmo assim, o chefe de Estado disse que a Rússia “continua como sempre aberta ao diálogo construtivo com os Estados Unidos a fim de restabelecer a confiança e garantir a segurança internacional”.

Com o fim do INF resta apenas um acordo bilateral sobre armas nucleares entre Moscovo e Washington: o Tratado START sobre arsenais nucleares que está em vigor até ao ano 2021.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)