Depois de assinar uma jogada brilhante e sair lesionado na jornada inaugural da liga espanhola e depois de assistir Vitolo para o golo da vitória na semana passada, João Félix entrava em campo para o terceiro jogo a contar para o Campeonato com a camisola do Atl. Madrid ainda sem ter marcado. O jogador português voltava a ter Diego Costa como companhia na frente de ataque, isto depois de o avançado espanhol ter acabado de cumprir um castigo que ainda durava desde a temporada passada, e isso queria dizer que a dupla ofensiva que deu frutos durante a pré-época estava de volta: apesar de a equipa de Simeone ter somado duas vitórias em dois jogos na liga espanhola, a verdade é que Félix mostrou um maior entendimento com Diego Costa do que com Morata, cuja lesão no joelho a meio da semana não poderia ter tido melhor timing.

As duas vitórias consecutivas do Atl. Madrid, mais do que significarem uma consistência de resultados que Simeone quer manter ao longo da temporada, significavam nesta altura uma regularidade que os dois principais rivais, Real Madrid e Barcelona, não tinham: os merengues ganharam o primeiro jogo e empataram o segundo, o Barcelona perdeu o primeiro, goleou no segundo e voltou a perder este sábado e a verdade é que os colchoneros, face ao empate do Sevilha com o Celta Vigo, podiam subir à liderança isolada da liga espanhola à terceira jornada. Contudo, as duas exibições perante o Getafe e o Leganés não foram brilhantes — na semana passada, o golo de Vitolo acabou mesmo por surgir algo contra a corrente — e era necessário subir o nível de pressão para ter de sofrer sem necessidade. E o Eibar, que leva dois empates e uma derrota na liga, parecia ser o adversário ideal para começar a fazer isso mesmo.

Diego Costa voltava aos jogos do Atl. Madrid depois de ter acabado de cumprir o castigo que transitou da época passada

Mas os crentes na teoria raramente se saem bem no futebol. O Eibar entrou muito bem na partida e inaugurou o marcador antes de estarem cumpridos dez minutos, por intermédio de Charles, que se tornou assim o primeiro jogador a bater Oblak na liga esta temporada: numa boa jogada entre linhas do Eibar, o avançado surgiu à entrada da pequena área a cabecear depois de um cruzamento a partir da direita (7′) e colocou o Eibar a vencer. Diego Costa poderia ter empatado pouco depois, após uma combinação impressionante entre Renan Lodi e Koke, mas o remate ao lado do avançado hispano-brasileiro foi o espelho da falta de ritmo competitivo que ainda não consegue esconder (14′). Sem conseguir criar lances de perigo e com o setor intermédio sempre muito longe de Costa e de Félix, o Atl. Madrid acabou por sofrer o segundo golo de um Eibar que tem em Inui o motor de criatividade mas que se expande para Orellana e Léon e se torna um conjunto interessante nas transições ofensivas. Arbilla encheu o pé de fora da grande área, tombado na esquerda, e o remate desviou em Giménez e enganou Oblak (19′).

O momento por que milhares de adeptos do Atl. Madrid esperavam há cerca de dois meses, porém, chegou ainda antes da meia-hora. Diego Costa usou o corpo para segurar a bola na direita, já no interior da grande área, e conseguiu fazer o passe paralelo para João Félix, que só precisou de encostar para reduzir a desvantagem colchonera. Aos 27 minutos da receção ao Eibar, João Félix estreava-se a marcar na liga espanhola, estreava-se a marcar no Wanda Metropolitano e relançava uma partida que estava muito complicada para o conjunto de Simeone.

Na segunda parte, Simeone tirou Marcos Llorente e lançou Vitolo, o herói da semana passada, para tentar causar o mesmo impacto quase imediato que o espanhol teve contra o Leganés. E a verdade é que Vitolo precisou de pouco mais do que cinco minutos para empatar a partida: Renan Lodi apareceu em zonas mais adiantadas e interiores e fez um passe na vertical que o avançado aproveitou para marcar pelo segundo jogo consecutivo (52′). O Atl. Madrid subiu as linhas a partir do empate e encostou o Eibar — onde o ex-Sporting Paulo Oliveira era titular no centro da defesa — às cordas, ainda que a equipa de José Luis Mendilibar nunca tenha perdido o discernimento nem o fio à meada.

Os colchoneros terminaram o jogo com quatro homens na frente — Diego Costa, Partey, Vitolo e Riquelme — e conseguiram chegar ao golo da vitória por intermédio do ganês, já no período de descontos, noutra exibição algo apagada onde a qualidade individual acabou por evitar pontos perdidos. João Félix, apesar de se ter estreado a marcar, pareceu algo desfasado da partida, com poucas oportunidades para fazer a diferença e pouco solicitado em espaços interiores, onde é normalmente mais forte, e saiu mesmo antes do apito final. Ainda assim, é notório o entendimento do jogador português com Diego Costa, superior àquele com Morata, o que pode ser um bom prenúncio para Simeone e para o Atl. Madrid.