Rádio Observador

Bloco de Esquerda

Bloco considera PCP “imprescindível a equilíbrio de forças” para governo de esquerda

“Nós temos gostado muito de trabalhar com o PCP", declarou Catarina Martins. A líder bloquista afirma que o seu partido valoriza a convergência com o PCP, mas também destaca alguns "desacordos".

À Antena 1, Catarina Martins voltou a defender que uma maioria absoluta do PS seria “muito perigosa”

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A líder do Bloco de Esquerda (BE) elegeu esta quarta-feira o PCP como “imprescindível a um equilíbrio de forças” para um eventual “governo à esquerda no país” após as eleições de 6 de outubro.

Em entrevista à Antena 1, Catarina Martins insistiu na tese, repetida ao longo desta pré-campanha, de que uma maioria absoluta do PS seria “muito perigosa”, voltou a defender entendimentos à esquerda, entre bloquistas e comunistas, e fez um elogio ao papel dos comunistas. “Nós temos gostado muito de trabalhar com o PCP e eu acho que o PCP é imprescindível a um equilíbrio de forças que permita um Governo à esquerda no país”, afirmou nesta entrevista à rádio pública, conduzida pela jornalista Natália Carvalho.

Quanto aos últimos quatro anos, reconheceu diferenças e divergências entre os dois partidos que foram “aliados” no apoio ao parlamentar ao executivo minoritário de António Costa, mas também os entendimentos.

Nós valorizamos muito a convergência que temos tido com o PCP. Sabemos também das dificuldades, dos desacordos… Não me esqueço que o PCP votou conta a paridade entre homens e mulheres”, exemplificou.

A líder bloquista recordou que, após as legislativas de 2015, o BE “teria gostado de fazer uma negociação conjunta”, para viabilizar o executivo de António Costa, entre bloquistas e comunistas de um lado, com quase 20%, face aos “cerca de 30%” do PS. “Poderia ter sido favorável”, admitiu Catarina Martins que relativizou a recusa do PCP a esta solução, para, logo a seguir, dizer: “Trabalhamos em conjunto quando é possível trabalhar em conjunto.”

De resto, a coordenadora dos bloquistas insistiu que as maiorias absolutas “são perigosas” e que “as pessoas lembram-se do que foram as maiorias absolutas no passado, sabem desse perigo”, numa referência às maioria do PSD (1987-1995) e do PS (2005-2009).

A exemplo do que já tinha feito no debate televisivo com o líder do PS e primeiro-ministro, António Costa, Catarina Martins exemplificou que, se os socialistas tivessem tido maioria absoluta, em 2015, “tinha descido a contribuição das empresas para a segurança social e congelado as pensões, o salário mínimo nacional não teria subido os 95 euros ao longo destes quatro anos”.

As legislativas para eleger os 230 deputados à Assembleia da República estão marcadas para 06 de outubro. Concorrem a esta eleição, a 16.ª em democracia, um número recorde de forças políticas – 20 partidos e uma coligação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)