81 segundos chegaram para fazer história e ultrapassar um recorde mantido desde 2003 por Paula Radcliffe. Na maratona de Chicago, realizada este domingo, a queniana Brigid Kosgei precisou de duas horas, 14 minutos e 3 segundos para bater a fasquia, um objetivo que ao longo de toda esta semana pairava no ar naquela cidade norte-americana.

A proeza, agora controlada e devidamente homologada, surge um dia depois da façanha conseguida pelo seu compatriota Eliud Kipchoge na maratona de Viena.