Por mais que uma vez, ao longo dos últimos quatro nos, o escândalo motivara resposta formal por parte da Família Real. Mas nem na fase mais recente, com os holofotes todos em cima, André se manifestara publicamente sobre a sua ligação ao excêntrico Jeffrey Epstein e sobre as acusações de que é alvo — que envolvem uma relação sexual com uma menor. O comentário surgiu, por fim, numa entrevista concedida à BBC2, que irá para o ar este sábado, pelas 21h00. É aqui que o Duque de York admite que a sua passagem pela casa do norte-americano foi “uma vergonha” e que esta estada, flagrada pelos fotógrafos, “não foi própria de um membro da Família Real”.

André foi confrontado por Emily Maitlis, que esteve à conversa com o príncipe esta quinta-feira, no cenário do palácio de Buckingham. Uma conversa que surge cerca de três meses depois dessas imagens divulgadas pelo britânico Daily Mail que comprometiam (ainda mais) o filho da rainha Isabel II, apanhado em 2010 à porta de casa do milionário quando se despedia de uma jovem.

Mas a controvérsia é bem mais antiga. Recorde-se que já em 2010 o príncipe foi fotografado com Epstein a passear no Central Park, em Nova Iorque, dois anos depois do bilionário, acusado de manter uma rede de tráfico sexual, ter sido condenado por aliciar uma menor a prostituir-se.

Sobre o facto de ter ficado instalado na mansão de Epstein, o Duque revela um dos momentos mais titubeantes, pelo menos a avaliar pelo teaser da entrevista: “Fiquei em casa dele e isso…isso…é essa parte que…é isso que me incomoda todos os dias porque não é algo próprio de um membro da Família Real e nós tentamos manter os mais altos padrões e práticas e eu envergonhei-os, tão simples quanto isso”.

Quanto às acusações mais graves, que envolvem Virginia Roberts, agora Virginia Giuffre, que sustenta que André a forçou (na altura com 17 anos) a manter relações sexuais três vezes entre os anos de 1999 e 2002, em Londres, Nova Iorque e numa ilha privada nas Caraíbas, propriedade de Epstein, o Duque é incapaz de afastar as suspeições, limitando-se a dizer “não me lembro” quando confrontado com este vínculo. “Não tenho qualquer memória de ter conhecido essa senhora”, responde o príncipe André, que no entanto surge em outras fotos não menos comprometedoras acompanhado pela queixosa.

Em comunicado, emitido em agosto, Buckingham frisava que o Duque de York se sentia “horrorizado” pelas acusações de que era alvo. Quanto a Epstein, de 66 anos, detido desde julho em Nova Iorque, foi encontrado morto, em agosto, naquele que poderá afinal configurar um caso de homicídio e não de suicídio, como inicialmente avançado.