O período de exercício dos direitos de subscrição de novas ações da Cofina, no âmbito do aumento de capital para a compra da Media Capital, arrancou esta terça-feira às 8h30 e termina às 15h00 de 10 de março.

Em 29 de janeiro, os acionistas da Cofina aprovaram o aumento de capital até 85 milhões de euros para o financiamento da compra da TVI.

“O período de exercício dos direitos de subscrição das novas ações decorrerá entre as 8h30 do dia 25 de fevereiro e as 15h00 do dia 10 de março de 2020, inclusive”, lê-se no aviso para o exercício de direitos de subscrição da Cofina.

A data limite para a compra em mercado regulamentado Euronext Lisbon de ações da Cofina com direitos de preferência na subscrição das novas ações terminou em 20 de fevereiro, sendo que os títulos da dona do Correio da Manhã “adquiridas após esta data já não conferem o direito a participar na oferta”.

Os resultados da oferta serão apurados em sessão especial de bolsa em 11 de março e as novas ações devem ser admitidas à negociação em 13 de março.

A Cofina deliberou aumentar o capital social de 25.641.459 euros para 110.641.459,05 euros, a realizar através de oferta pública de subscrição com subscrição reservada a acionistas no exercício do direito de preferência e demais investidores que adquiram direitos de subscrição, através da emissão de 188.888.889 ações ordinárias, escriturais e nominativas, sem valor nominal, tendo o preço de subscrição fixado em 0,45 euros por cada novo título.

A Cofina refere que, “após a satisfação dos acionistas no exercício do direito de preferência e demais investidores que adquiram direitos de subscrição, incluindo pedidos de subscrição adicional em rateio, as novas ações eventual sobrantes poderão ser colocadas junto de, e subscritas por, investidores institucionais, no âmbito de oferta particular”.

Esta, a ser lançada, antecipa-se decorrer entre 5 de março, após as 15h00, e as 12h00 da data de apuramento dos resultados da oferta, ou seja, 11 de março.

Em 30 de dezembro, a Autoridade da Concorrência (AdC) anunciou a sua não oposição à compra da Media Capital pela Cofina, que era uma das condições da dona do Correio da Manhã para o sucesso da oferta.

Uma semana antes, a Cofina anunciou ter acordado com a Prisa a redução do preço da compra em 50 milhões de euros face aos 255 milhões de euros (‘enterprise value’) comunicados em 21 de setembro.

O grupo Cofina detém, além do Correio da Manhã e do Record, a CM TV, o Jornal de Negócios, a revista Sábado, entre outros títulos.

Por sua vez, a Media Capital conta com seis canais de televisão e a plataforma digital TVI Player. Além da TVI, canal generalista em sinal aberto, conta com a TVI24, TVI Reality, TVI Ficção, TVI Internacional e TVI África. A Media Capital tem também rádios, nas quais se inclui a Comercial.

A Cofina estima que a compra da dona da TVI esteja concluída no primeiro trimestre deste ano e que represente sinergias de 46 milhões de euros.