Há hospitais da União Europeia que já estão com escassez ou – sobretudo – com previsão de escassez para breve de medicamentos essenciais ao tratamento da doença Covid-19 — e Portugal poderá ser um dos países que está a potenciar essa situação.

A acusação é feita pelo secretário geral de uma organização belga sem fins lucrativos, a Affordable Medicines Europe, que supervisiona a circulação e comércio entre empresas farmacêuticas grossistas da UE e que no seu site oficial refere englobar “100 empresas de 23 países”. Kasper Ernest, o secretário geral da organização, afirmou à agência de notícias Reuters que Portugal e Áustria estão entre os Estados-membro da UE que fazem armazenamento excessivo de medicamentos essenciais ao tratamento da Covid-19.

A acusação foi entretanto refutada pelo Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, que considera que “falar em açambarcamento” de medicamentos usados no tratamento de doentes com Covid-19 por Portugal “é um total absurdo”.

Infarmed diz que falar em açambarcamento de medicamentos por Portugal “é um total absurdo”

De acordo com a Reuters, que ouviu especialistas da indústria farmacêutica e responsáveis europeus, as restrições ao comércio entre países e o armazenamento excessivo em stock são as duas principais causas para a escassez e previsão de escassez futura de medicamentos em alguns hospitais da União Europeia. A agência refere que foram adotadas “medidas protecionistas” por “muitos dos 27 Estados-membro”, havendo uma corrida de cada país não só a máscaras, ventiladores e outro tipo de equipamentos médicos, mas também de medicamentos.

Citada pela agência noticiosa, a Agência Europeia do Medicamento reconheceu inclusivamente a existência de problemas. “Alguns Estados-membro da UE indicaram que estão a começar a ver escassez de certos medicamentos para tratar pacientes com Covid-19, ou esperam que essa escassez ocorra muito em breve”, lê-se numa declaração enviada pela agência europeia.

Entre os medicamentos que estão já em falta em algumas unidades hospitalares e em vias de estar em falta em muitas outras estão “anestesias, antibióticos e relaxantes musculares” habitualmente usados em unidades de cuidados intensivos, para tratar doentes com Covid-19 que estejam em estado crítico.

De acordo com a Reuters, “um grupo de grandes hospitais europeus”, incluindo unidades de saúde em Itália (San Raffaele, em Milão) e Espanha (Vall d’Hebron, em Barcelona) — os dois países europeus com mais casos confirmados e mais óbitos por Covid-19 —, assumiu inclusivamente na última semana que em breve não conseguirá tratar de pacientes com Covid-19 se as restrições à circulação de bens hospitalares e médicos não forem levantadas.