Está em auto-isolamento por causa da Covid-19 e tem um gato em casa? Então saiba que o melhor é garantir que ele não sai à rua. Essa foi a recomendação feita esta quarta-feira pela Associação Britânica Veterinária, que relembra que os animais domésticos podem ser infetados pelo novo coronavírus — embora, até à data, não se tenha registado nenhum caso de um gato doente ou com sintomas, nem provas de que possam transmitir o vírus a seres humanos.

O alerta foi feito pela Associação em comunicado, explicando que os gatos podem tornar-se fómites — ou seja, uma espécie de “objetos” que podem ser contaminados por organismos infecciosos: “O vírus pode ficar no pele dos gatos, da mesma maneira que pode ficar noutras superfícies como mesas ou maçanetas”, explica o comunicado.

Contudo, a Associação sublinha que “os donos não se devem preocupar” com a possibilidade de serem infetados pelos seus gatos , já que “não há qualquer prova de que os animais domésticos possam transmitir Covid-19 às pessoas” e sugere apenas que sejam tomadas “precauções sensatas”, de acordo com o Independent.

Já houve casos de cães e gatos que testaram positivo para Covid-19, “mas mesmo nesses casos os animais não estão a ficar doentes”, relembra à BBC o médico Angel Almendros. “Tal como no surto de SARS em Hong Kong, em 2003, quando alguns animais domésticos foram infetados mas nunca ficaram doentes, também agora não há provas de que cães ou gatos possam ficar doentes ou infetar seres humanos”.

Mesmo assim, têm surgido vários casos de animais a testarem positivo para o novo coronavírus, como foi o caso de um tigre num Jardim Zoológico em Nova Iorque, esta semana. E, visto estarmos perante um vírus que ainda é algo desconhecido pela ciência, a Associação Britânica de Veterinária pede precaução.

Tigre num jardim zoológico de Nova Iorque testou positivo para a Covid-19