A Câmara de Oliveira de Azeméis anunciou esta quarta-feira três óbitos em infetados com Covid-19 no Lar de Idosos Santa Teresinha, da Obra Missionária de Ação Social, mas diz que o delegado de saúde não confirmou a causa dessas mortes.

No mesmo concelho do distrito de Aveiro, também o presidente da Junta de Freguesia de Cucujães, Simão Godinho, revelou que “há mortos no lar e que a suspeita é de que a causa tenha sido a Covid-19”.

Mas, se foi realmente essa ou não a razão, não sabemos, porque o delegado de saúde não se pronuncia sobre isso”, assinalou.

Na rede social Facebook, a câmara municipal prestou esta quarta-feira um esclarecimento à população, na sequência da polémica local quanto ao boletim diário sobre o ponto de situação da pandemia nesse concelho de 163 quilómetros quadrados.

Tendo em conta que esta quarta-feira de manhã já se registavam 110 casos de infeção entre os cerca de 70.000 habitantes do território e que, desde o início do surto, nenhum óbito foi oficialmente reconhecido pelas autoridades, a autarquia gerida pelo PS dizia: “Nunca foi publicada informação sobre o número de óbitos por Covid-19 no nosso concelho, porque o delegado de saúde sempre se recusou a fornecer essa informação”.

O comunicado da câmara acrescenta: “Apesar de termos conhecimento de vítimas mortais infetadas pelo vírus, não temos a confirmação oficial da causa da morte, pelo que não nos é possível cumprir com o nosso dever de informar“.

O presidente da Junta, Simão Godinho diz-se preocupado com a falta de testes de rastreio à Covid-19 porque, só na sua freguesia, o referido Lar de Idosos Santa Teresinha “tem cerca de 30 utentes” e a Fundação Manuel Brandão serve de morada a “uns 30 ou 40”.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, o socialista Joaquim Jorge Ferreira, não esteve disponível. O mesmo aconteceu com o Lar Santa Teresinha.

Já o delegado de saúde local, Pedro Ferreira recusou-se a prestar esclarecimentos sobre o assunto, remetendo a responsabilidade pelo boletim diário da pandemia para a Direção-Geral de Saúde.

Ainda no Facebook, o município de Oliveira de Azeméis adiantava que a conta bancária de solidariedade criada pela autarquia reunira já verbas suficientes para oferecer “cinco ventiladores ao Centro Hospitalar do Entre Douro e Vouga”, que, tendo a sua casa-mãe em Santa Maria da Feira, também tutela os hospitais de Oliveira de Azeméis e São João da Madeira.

O novo coronavírus responsável pela presente pandemia foi detetado na China em dezembro de 2019 e já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais mais de 80.000 morreram. Ainda nesse universo de doentes, mais de 260.000 recuperaram.

A 17 de março, o Governo declarou o estado de calamidade pública no concelho de Ovar e, a 19 de março, o estado de emergência em todo o país. Ambos vigoram até às 23h59 do dia 17 de abril, sendo que a população está proibida de circular fora do seu concelho de residência de quinta-feira até segunda-feira, no que o objetivo é desincentivar viagens no período da Páscoa.