Portugal tem agora um total de 17.448 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica em Portugal desta terça-feira, dia 14 de abril. Houve um aumento de 514 casos, num acréscimo percentual de 3%, mais 0,9% do que na véspera. Já o número de mortes subiu de 535 para 567, mais 32, com especial incidência no Norte, o que fez também subir a taxa de mortalidade para 3,25% (3,16% na véspera). O número de casos recuperados, que era de 277 esta segunda-feira, subiu para 347, mais 70 casos.

Boletim DGS. Casos em UCI têm registo mais baixo do mês entre a menor subida percentual de novos casos

Nota ainda para outras variações (ou a falta delas, como aconteceu no número de casos e importados e países em causa): o número de casos internados e em Cuidados Intensivos voltou a subir (sendo que, no caso das UCI, tinha atingido o valor mais baixo do mês esta segunda-feira); o número de casos a aguardar resultados ou contactos em vigilância pelas autoridades de saúde tiveram uma queda acentuada; o número de novos casos e de mortes voltou a concentrar-se na faixa acima dos 80 anos e no Norte, que já superou a barreira dos 10 mil casos positivos.

Olhando de forma mais pormenorizada para a subida do número de casos recuperados, a primeira semana teve cinco casos recuperados (o primeiro foi anunciado há um mês, a 14 de março), as duas semanas seguintes somaram mais 70 casos recuperados e só na última semana esse número subiu em 202, para um total de 277. Agora, Portugal teve o maior aumento de casos num só dia, 70, acima dos 65 registados no passado dia 6.

[Acompanhe aqui tudo o que tem mesmo de saber no mapa interativo sobre o coronavírus em Portugal]

O que tem mesmo de saber sobre o coronavírus em Portugal

A análise do Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica em Portugal desta terça-feira, dia 14 de abril, pode ser feita através de vários pontos distintos, a saber:

Número total de casos, mortes e recuperados

Maior aumento de casos recuperados num só dia. Portugal tem agora um total de 17.448 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica em Portugal desta segunda-feira, dia 13 de abril. Houve um aumento de 514 casos, num acréscimo percentual de 3%, mais 0,9% do que na véspera. Já o número de mortes subiu de 535 para 567, mais 32, com especial incidência no Norte, o que fez também subir a taxa de mortalidade para 3,25% (3,16% na véspera). O número de casos recuperados, que era de 277 esta segunda-feira, subiu para 347, mais 70 casos, na maior subida num só dia.

Caracterização dos óbitos

Mortes acima dos 70 anos representam 86% do total de óbitos. Mantém-se a incidência nas pessoas acima dos 70 anos (27 das 32 mortes neste Boletim), que representam 86% das 567 mortes por Covid-19 no país (370 acima dos 80 anos, 116 entre os 70 e os 79 anos). Registou-se também a sétima morte pelo novo coronavírus entre pessoas abaixo dos 50 anos, segunda entre homens. A nível de regiões, o Norte continua a ser a que conta com mais óbitos (mais 18, num total de 321), seguida da região Centro, que teve a maior subida do dia em termos percentuais (mais oito, num total de 131) e da região de Lisboa e Vale do Tejo (mais seis, num total de 102).

Caracterização do número de casos por região

Norte passa barreira dos 10 mil casos, Madeira sem novos casos. O Norte voltou a ser (desta vez até de forma mais acentuada) a região com o maior aumento de casos em termos brutos, 318 num acrescento de 3,2% para um total de 10.302, quase o dobro do que todas as outras regiões do país. Registaram-se mais 98 casos em Lisboa e Vale do Tejo (subida de 2,5%, num total de 3.994) e mais 72 no Centro (aumento de 2,9%, num total de 2.549). Ainda assim, em termos percentuais, as maiores variações aconteceram no Alentejo (mais 15 casos, subida de 10,7% num total de 155) e nos Açores (mais seis casos, subida de 6,4% num total de 100 casos). O Algarve teve apenas mais cinco casos, ao passo que a Madeira não registou novos casos pelo segundo dia consecutivo.

Número de países e casos importados

País não registou novos casos importados. Ao contrário do que se passou na véspera, onde houve mais 11 casos importados e um novo país (África do Sul, além de um caso indicado como Andorra e Espanha), o Boletim de hoje não apresenta qualquer evolução, mantendo-se os 707 casos importados de 48 países. Espanha (168), França (123) Reino Unido (75), Emirados Árabes Unidos (46) e Suíça (45) são os países com mais casos importados.

Número de casos por grupo etário

Maior aumento de novos casos (mais uma vez) acima dos 80 anos. Num dia em que a faixa de infetados entre os 50 e os 59 anos confirmou ter a predominância em relação a todas as outras (3.028), nomeadamente a faixa entre os 40 e os 49 anos (3.005), registou-se um total de 32% de novos casos acima dos 70 anos (menos 3% do que na véspera), entre a faixa dos 70 aos 79 anos (mais 61, num total de 1.626) e acima dos 80 anos (mais 103, num total de 2.638). À semelhança do que tinha acontecido ontem, a faixa acima dos 80 anos foi aquela que teve o maior crescimento bruto de casos nas últimas 24 horas, neste caso de 103 (74 na véspera).

Número de casos internados e nos cuidados intensivos

Mais internados e subida de 16% nos casos em UCI (que baixara antes). Ao contrário da tendência dos últimos dias, em que o número de casos internados ou nos Cuidados Intensivos estava a estabilizar ou mesmo a decrescer, houve nas últimas 24 horas um aumento de mais 40 casos internados (subida de 3,4%, num total de 1.227) e de mais 30 casos em Unidades de Cuidados Intensivos (subida de 16%, num total de 218).

Número de casos suspeitos, não confirmados, em vigilância e a aguardar resultados

Menos 3.724 de contactos em vigilância com as autoridades de saúde num só dia. Num quadro que volta a indiciar um menor número de testes feitos em comparação com o final da última semana, atendendo à alteração de valores em alguns parâmetros com subidas bem mais visíveis, houve um acréscimo entre 2,4% e 3% entre o número de casos suspeitos (mais 3.330, num total de 142.514) e o número de casos não confirmados (mais 3.606, num total de 122.592). No entanto, houve duas grandes variações nestes parâmetros: há menos 3.724 casos de contactos em vigilância pelas autoridades de saúde (queda de 13,8%, para um total de 23.265) e menos 790 casos a aguardar resultados (queda de 24,2%, para um total de 2.474).

Caracterização dos casos por género

Percentagem de mulheres infetadas continua a subir. Continua a confirmar-se uma tendência de distribuição por género em Portugal: a percentagem de mulheres infetadas tem vindo a subir de forma ligeira e gradual, com mais 220 mulheres do que homens infetados apenas em relação a este novo boletim num total de mais 3.104 casos positivos em mulheres (num total de 10.276 casos, 58,9% dos 17.448 em Portugal, mais 0,4%).

Número de casos por concelho

Matosinhos teve o maior aumento. O Porto tornou-se o concelho com mais casos positivos confirmados de Covid-19 esta segunda-feira e assim permanece, de acordo com o Boletim divulgado hoje, com um total de 959 casos, mais 38 do que na véspera. Lisboa, que registou mais 41 casos, tem agora um total de 946. As maiores subidas do dia registaram-se em Matosinhos, quarto concelho com mais casos que subiu 53 para um total de 768, na Maia, com mais 45 casos num total de 640, e em Vila Nova de Gaia, com mais 42 casos num total de 884.

Caracterização dos casos confirmados por sintomas

Tosse e febre continuam como os principais sintomas. Os sintomas apresentados entre os casos de testes positivos (com informação respeitante a 81% desses casos, mais 1% do que na véspera, como é referido) mantêm-se quase inalterados em relação aos últimos dias, com uma preponderância maior de tosse (54%, menos 1%) e febre (41%), seguidas de dores musculares (28%, menos 1%) e cefaleias (26%). Fraqueza muscular (23%) e dificuldades respiratórias (16%) são os sintomas com menor taxa de incidência.