O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, acusou esta quarta-feira o Irão de continuar a “fomentar o terror” apesar da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

As declarações de Pompeo sobre o Irão foram proferidas durante uma a visita do secretário de Estado norte-americano realiza esta quarta-feira a Jerusalém.

“Mesmo durante a pandemia, os iranianos utilizam todos os recursos do regime dos aiatolas para fomentarem o terror em todo mundo, mesmo numa altura em que o próprio povo se encontra em grande sofrimento. Isto diz muito sobre os dirigentes do país”, disse Pompeo aos jornalistas durante uma conferência de imprensa em que também participou o primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

Nas últimas três semanas, pelo menos seis disparos contra posições pró-iranianas em território da Síria foram atribuídos à aviação militar israelita.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Irão não parou durante um só minuto os planos e ações violentas contra os norte-americanos, os israelitas e a todos os outros na região”, disse o primeiro-ministro de Israel na mesma conferência de imprensa.

Netanyahu disse que quer “combater e confrontar” as “agressões do Irão, na Síria“, sem especificar.

No domingo, o governo de Teerão disse estar disposto a realizar uma troca de prisioneiros com os Estados Unidos “sem condições” apesar das tensões entre os os dois países, frisando que a “bola estava no campo de Washington”.

Sem desmentir eventuais negociações sobre prisioneiros, Pompeo agradeceu à Suíça pelo “papel constante e construtivo que está a desempenhar” na proteção dos Estados Unidos no Irão.