Parece que já foi há muito tempo e que não é propriamente real, mas a verdade é que Iker Casillas é mesmo candidato à presidência da Real Federação Espanhola de Futebol. O ainda guarda-redes do FC Porto, que não joga desde que sofreu um enfarte há cerca de um ano mas ainda não terminou oficialmente a carreira, mesmo que esse fim esteja implícito com a candidatura, é o grande opositor de Luis Rubiales na luta pela liderança do futebol espanhol. Uma vitória de Casillas, mais do que uma derrota de Rubiales, seria o início da passagem de uma geração mais recente de jogadores espanhóis para cargos institucionais — mas parece que a simples candidatura já está a ser inspiradora.

Se o ambiente não é pacífico no cerne da Federação — e principalmente na relação com a Liga e com o respetivo presidente, Javier Tebas –, a verdade é que a situação não é mais pacífica na Associação de Futebolistas Espanhóis (AFE). Se David De Gea e Juan Mata se demitiram do cargo de vice-presidentes há vários meses, em rota de colisão com a restante direção, as alegações subiram agora de tom. David Aganzo e Diego Rivas, presidente e secretário-geral da Associação, foram esta semana acusados de suborno num email enviado a todos os membros da direção do organismo. A mensagem foi enviada por Antonio Saiz Checa, um funcionário da AFE, que revela que foi subornado para “conseguir documentação económica do sindicato dos futebolistas”.

“Iker for president”. Casillas avança para liderança da Federação – e com isso irá anunciar final da carreira

Ao email, ao qual o jornal Marca teve acesso, Saiz Checa acrescentou uma carta onde detalha o alegado suborno de que foi vítima, explica que foi despedido no passado mês de agosto e contratado novamente depois de corresponder às exigências de David Aganzo e ainda justifica o porquê de ter decidido revelar tudo agora. “O presidente, fazendo uso da sua superioridade hierárquica, obrigou-me, mediante várias pressões, a colaborar para conseguir de forma ilícita documentação económica do Sindicato dos Futebolistas. O presidente pretendia demonstrar que o Sindicato estaria a ser financiado pela Liga de Futebol Profissional. Esta documentação deveria ser conseguida através do pagamento de três mil euros a um funcionário público, um valor para o qual contribuíram alguns membros da direção e trabalhadores da AFE, e com o contributo de David Aganzo e Diego Rivas. A documentação económica entreguei-a pessoalmente a David Aganzo, estando presente, entre outros, também Diego Rivas”, conta o antigo funcionário da Associação, concluindo que decidiu contar tudo porque “estes relatos estão agora na justiça”.

Rubiales entrou em guerra com selecionadores, Liga e Mediapro. Agora, é acusado de falsificação de documento público

Com a queda da bomba, começa a surgir uma vaga de fundo, criada pelos jogadores associados, que empurra um nome específico para a oposição a David Aganzo: Fernando Morientes. O antigo avançado de Real Madrid e Liverpool e da seleção espanhola, agora com 44 anos, parece ser o favorito dos jogadores espanhóis para assumir a presidência da AFE. Algo que, conforme explicou ao El Mundo, não desagrada ao próprio Morientes. “Não é uma coisa que tenha procurado. É uma boa surpresa, que os teus colegas, ex-colegas, treinadores, te chamem… Deixa-me cheio de orgulho. Pelo que ouvi, os problemas internos que estão a aparecer com esse funcionário da AFE… São coisas que causam danos à sua imagem. Aquilo que conhecia como AFE, não é o que estou a ver. Os futebolistas estão desunidos. Continuo a ser sócio e não gosto da imagem que está a ser dada, deixa-me triste”, disse o antigo jogador.

“Se não fossem os jogadores a falar, nem estaria a pensar nisso. Estou a dar voltas à cabeça. O que os jogadores querem é uma mudança já. Percebo que a imagem que está a passar da Associação não os representa. O futebol deu-me tudo e se os futebolistas me chamam… É-me difícil olhar para o outro lado. Quero apresentar-me seriamente”, concluiu Morientes, que parece estar a pensar a sério em candidatar-se ao organismo que representa os jogadores espanhóis.