A comandante brasileira Carla Monteiro de Castro Araújo vai receber um prémio da ONU pelos serviços prestados na promoção da igualdade de género e proteção das mulheres, anunciou o organismo.

A oficial da Marinha brasileira, ao serviço da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (Minusca), é uma das laureadas do prémio Defensoras Militares da Igualdade de Género 2019, atribuído anualmente pela ONU.

Este ano, o prémio é atribuído pela primeira vez a duas pessoas, distinguindo também a major Suman Gawani, do exército Indiano, destacada na Missão das Nações Unidas no Sul do Sudão (Unmiss).

De acordo com um comunicado da ONU, o prémio, criado em 2016, visa reconhecer “a dedicacão e o esforço de um militar das Forças de Paz na promoção dos princípios da Resolução 1325 da ONU sobre mulheres, paz e segurança, dentro do contexto de operação de paz”.

Segundo a nota, a comandante Carla Monteiro de Castro Araújo “conduziu uma ampla formação” na sede da Minusca, na República Centro-Africana, “em assuntos relacionados com questões de género”, contribuindo para aumentar a proteção de mulheres e crianças naquela região.

O prémio vai ser entregue numa cerimónia virtual presidida pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, no Dia Internacional das Forças de Manutenção da Paz da ONU, em 29 de maio.

Em comunicado, António Guterres elogiou as militares premiadas, que considerou “uma inspiração para os ‘capacetes azuis’ em todo o mundo”.

Estas forças de manutenção da paz são modelos poderosos. Através do trabalho, trouxeram novas perspetivas e ajudaram a criar confiança entre as comunidades que servimos”, adiantou a nota.

Este é o segundo ano consecutivo em que o prémio da ONU é atribuído a oficiais brasileiras.