Os casos confirmados de Covid-19 nos Estados Unidos subiram este sábado para 1.759.725, atingindo as 103.389 mortes, segundo uma contagem independente da Universidade John Hopkins.

O estado de Nova Iorque continua a ser o grande epicentro da pandemia nos Estados Unidos, com 369.660 casos confirmados, um número apenas inferior ao da Rússia e do Brasil.

Em Nova Iorque, morreram 29.710 pessoas devido ao novo coronavírus, seguindo-se o estado vizinho de New Jersey, com 159.608 casos confirmados e 11.634 mortes; Massachusetts, com 95.512 infeções e 6.718 mortes e Pensilvânia, que registou 75.697 casos positivos de coronavírus e 5.537 mortes.

Outros estados com grande número de mortes incluem Michigan com 5.406, Illinois com 5.270, Califórnia com 4.088 e Connecticut com 3.868.

O número de mortes está próximo das estimativas iniciais da Casa Branca, que projetavam, na melhor das hipóteses, entre 100.000 e 240.000 mortes, mas já ultrapassou largamente as estimativas feitas posteriormente pelo Presidente Donald Trump e que apontavam para 50.000 a 60.000 mortes.

Desde então, porém, Trump alterou várias vezes a sua previsão até reconhecer na sua estimativa mais recente que o número final será provavelmente entre 100.000 e 110.000 mortes.

O Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) da Universidade de Washington, cujos modelos de previsão de evolução da pandemia a Casa Branca analisa frequentemente, estima que no início de agosto a covid-19 terá deixado mais de 131.000 mortos nos Estados Unidos.

Há três dias, os Estados Unidos tornaram-se a primeira nação do mundo a exceder 100.000 mortes por coronavírus, mas um estudo publicado hoje pela prestigiada Universidade de Yale e pelo jornal “The Washington Post” indica que este número poderá ter sido ultrapassado há semanas.