A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, afirmou esta quinta-feira que, “mais do que lamber as feridas”, compete ao país reagir perante as consequências da pandemia da Covid-19, e realçou a importância da cooperação.

Mais do que lamber as feridas, compete-nos reagir. Neste âmbito, a cooperação pode ser uma das soluções para a situação que vivemos”, afirmou Rita Marques, que se deslocou às Termas de Monfortinho, onde presidiu à inauguração do Posto de Turismo local e assinalou a reabertura da fronteira.

A governante sublinhou que Portugal preparou um plano de reabertura, acautelando todas as condições e realçou que este é um sinal de que o país está pronto a receber quem o quer visitar.

Já sobre as estâncias termais, realçou que são muitas em Portugal e entende que se trata de uma oferta turística que faz sentido promover como um produto associado ao bem-estar.

Podemos afirmar a nossa competitividade das estâncias termais junto do mercado espanhol e é isso que estou também aqui a fazer juntamente com a Extremadura [espanhola], procurar promover o mercado ibérico de forma conjunta para podermos captar o interesse dos espanhóis e de todos aqueles que aterrem em Espanha”, afirmou.

Rita Marques referiu-se ainda ao IC-31, uma infraestrutura rodoviária de ligação a Espanha há muito reclamada.

Apesar de não ser da competência da sua Secretaria de Estado, a governante sublinhou que a mesma está contemplada no mapa de investimentos de natureza pública.

Penso que temos as condições para fazer avançar o projeto, que não é da competência da Secretaria de Estado [Turismo], mas que passarei aos colegas das Infraestruturas mais este sinal que me foi dado aqui”, concluiu.

É que, momentos antes, o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo jacinto, voltou a relembrar a necessidade de construir esta via rodoviária de ligação a Espanha, tal como o fez o alcaide de Moraleja, César Herrero, e a própria conselheira da Junta da Extremadura (Espanha) para a Cultura, Turismo e Desporto, Nuria Flores Redondo.

Esta responsável realçou a relação histórica e cultural entre Portugal e Espanha e sublinhou a importância do turismo como uma ferramenta para o desenvolvimento social e económico da raia portuguesa e espanhola.

“O IC-31 que avance. O futuro dos nossos povos está no turismo”, concluiu.