Há quatro meses que o número de pessoas hospitalizadas em Portugal com Covid-19 não tinha um aumento tão grande longo de 24 horas. À meia-noite deste sábado, 12 de setembro, estavam 438 infetados em hospitais — mais 34 do que à mesma hora do dia anterior. É preciso recuar a 6 de maio para encontrar outras 24 horas em que o número de internados em Portugal tenha tido uma variação tão negativa: entre saídas e novas entradas de unidades de saúde, foram contabilizados mais 36 internamentos ao longo desse dia.

Este é um dos dados do boletim divulgado este sábado pela Direção Geral da Saúde, em que constam também o número de casos de infeção confirmados nas 24 horas anteriores e o número de mortes com Covid-19 no mesmo período.

Há agora mais 497 infetados no país — um número inferior ao registado nos três dias anteriores (697, 585 e 646), mas significativamente mais alto do que nos dois dias prévios a esses três (388, 249 e 315) —, elevando-se o total de casos confirmados de infeção desde o início da pandemia para 63.310. Ao longo das últimas 24 horas, aumentou também o número de mortes de pessoas infetadas com o novo coronavírus em Portugal: foram contabilizados mais cinco óbitos, elevando o número total de vítimas mortais para 1.860.

Mais pessoas também em unidades de cuidados intensivos

O aumento do número de internados em 24h — mais 34 pessoas hospitalizadas — é significativamente superior ao de dias anteriores deste mês de setembro, como os dias 10 (+ 15 internamentos), 8 (+13), 7 (+27), 6 (+9), 5 de setembro (+6) e 4 (+5).

A 11 de setembro (-2), a 9 de setembro (-3) e a 3 de setembro (-3), a variação de internados em 24 horas tinha provocado uma diminuição no número de hospitalizados com Covid-19 em Portugal.

Também o número de internados em unidades de cuidados intensivos, com prognóstico de saúde mais reservado, aumentou: face à meia-noite do dia anterior, entre novas entradas e saídas há registo de mais cinco internados em UCI. Estavam já, na meia-noite passada, 59 pessoas nestas unidades.

Quase metade dos novos casos em Lisboa e Vale do Tejo, Norte com 36%

Dos 497 casos de infeção confirmados esta sexta-feira em Portugal, quase metade (243, o equivalente a 49%) foram detetados na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Na região Norte foram detetados mais 178 casos de infeção (36% da totalidade do país) com o vírus que pode causar a doença Covid-19. Seguem-se, com mais casos confirmados, a região Centro (mais 39 casos), o Alentejo (mais 26), a região Sul (mais 7) e os Açores e Madeira (ambas as regiões com mais 2 casos).

Grupo etário com mais casos: 20 aos 29 anos

A faixa etária em que o número de casos mais cresceu ao longo de esta sexta-feira foi, novamente, a faixa etária dos 20 aos 29 anos: nestas idades, registou-se um aumento de mais 98 casos confirmados de infeção em Portugal.

Seguem-se a faixa etária dos 30 aos 39 anos, na qual foram detetados mais 76 casos e o grupo com 40 a 49 anos, com mais 72 casos.

A faixa etária dos 30 aos 39 anos é já a faixa etária com mais casos confirmados de infeção, com 10.391 pessoas infetadas desde o início da pandemia. Segue-se a faixa etária dos 40 aos 49, com 10.350 infetados desde março.

Em 24h, 250 pessoas foram dadas como recuperadas

O número de pessoas que recuperaram clinicamente da infeção é agora de 43.894, dado que ao longo de esta sexta-feira as autoridades de saúde contabilizaram mais 250 pessoas dadas como recuperadas.

Este é o valor mais alto desde oito de agosto, ou seja, é preciso recuar um mês para encontrar um dia com um número tão elevado de pessoas dadas como clinicamente recuperadas da infeção em Portugal. No boletim publicado pela DGS nesse dia 8 de agosto, o número de recuperados ao longo do dia anterior era de 277.

Das cinco vítimas mortais, quatro eram de Lisboa e Vale do Tejo

Das cinco pessoas infetadas com SARS-CoV-2 que morreram ao longo de esta sexta-feira em Portugal, quatro eram da região de Lisboa e Vale do Tejo e uma era da região Norte, indica o boletim divulgado pela Direção Geral da Saúde.

Só uma das vítimas mortais tinha mais de 80 anos. Três das vítimas tinham entre 70 e 79 e uma outra tinha entre 60 e 69 anos.