Durante a apresentação mundial do Lucid Air, o CEO e CTO da empresa, o britânico Peter Rawlinson, desdobrou-se em entrevistas. Uma das mais curiosas foi a concedida à publicação alemã Auto Motor und Sport, cujo jornalista deverá ter ficado chocado quando este gestor de uma marca que nunca produziu um único automóvel afirmou que o Air é melhor do que o Porsche Taycan.

Desafiado a apontar o que a Lucid tem de diferente, para melhor, Rawlinson referiu o facto de os motores serem extremamente compactos e leves. Afirmou mesmo que cada um, apesar de debitar 670 cv, é 2,5 vezes mais compacto do que o do Tesla Model S, cabendo numa mala de cockpit.

Este é o Lucid Air. Bate mesmo os Model S e Taycan

Em relação às baterias, o CEO da Lucid confessou que não as produz, atribuindo essa função à LG Chem, mas a química foi desenvolvida pelos seus técnicos, sendo provavelmente similar às baterias que a empresa usa nos packs que fornece para a Fórmula E.

Rawlinson recordou ainda os dados que avançou na apresentação, como o facto de o Air ter um sistema eléctrico a 900 V, que em breve evoluirá para 925, o que lhe permite recarregar a 300 kW, contra 270 kW do Porsche e 250 kW dos Tesla, sendo que a entrevista foi realizada antes do Battery Day, em que Musk revelou o Model S Plaid, que vai estrear novas baterias e que prometeu ser mais rápido e com uma autonomia similar ao melhor dos Air.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar de se assumir como um fã da Porsche, ele que já trabalhou no reputado transformador alemão Ruf, Peter Rawlinson contestou os que dizem que a marca alemã se deve focar no comportamento e não na eficiência, defendendo que se o Taycan fosse mais eficiente poderia ir mais longe com baterias mais pequenas e leves, o que melhoraria o comportamento. E, numa atitude algo curiosa, afirmou: “Se eu fosse o engenheiro chefe da Porsche, dava mais importância à eficiência.” Pode ver a entrevista na totalidade aqui.