Um rapaz de 17 anos foi detido esta quarta-feira em Seine-Saint-Dinis, arredores de Paris, por poder estar relacionado com o ataque com uma faca numa igreja de Nice, em que três pessoas foram morreram, avança o Le Monde. O crime, que aconteceu na última quinta-feira, já foi considerado um ataque terrorista e elevou o nível de alerta em França.

O agora detido é suspeito de ter trocado mensagens com o atacante. Já no dia anterior a polícia tinha detido um homem de 29 anos que teria estado com o suspeito Brahim Issaoui. Foram ainda levados pela polícia outros três homens, entre os 23 e os 45 anos, que estavam com ele na mesma casa, mas que acabaram por ser depois libertados.

Estas quatro detenções juntam-se a outras seis que já tinham sido realizadas desde quinta-feira, embora todos os suspeitos tenham sido libertados até agora, com exceção de um tunisino de 29 anos.

Atentado em França. Suspeito será jovem tunisino de 21 anos

Os jornais franceses explicam que a polícia está a passar a pente fino dois telemóveis que foram encontrados entre os bens do suspeito — que foi baleado pela polícia e que se encontra em estado grave no hospital. O suspeito também testou positivo ao novo coronavírus, pelo que tem Covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A polícia está a tentar reconstruir o seu percurso desde que saiu da Tunísia até chegar a França e perpetrar o ataque. As autoridades querem perceber se tinha algum cúmplice no ataque que vitimou, ao início da manhã de quinta-feira, uma mulher de 60 anos, Nadine Devillers, o sacristão da Basílica de Notre-Dame-de-l’Assomption,  Vincent Loquès de 55 anos, e Simone Barreto Silva, uma brasileira de 44 anos — que foi esfaqueada várias vezes e ainda se refugiou num café, mas acabou por morrer.

Ataques terroristas. 3 pontos para compreender o que está a acontecer em França

Para já sabe-se que o suspeito tem 21 anos, era mecânico de motas, e tinha já ficha criminal por violência e droga. Deixou a Tunísia em meados de setembro e há dois anos e meio que, diz a mãe, rezava muito. Foi direto ao sul de Itália, onde ficou em Lampedusa de quarentena com cerca de 400 migrantes. Só chega a Nice a 27 de outubro. O ataque acontece dois dias depois