Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Presidente de França, Emmanuel Macron, publicou um vídeo esta sexta-feira onde se mostra publicamente pela primeira vez desde que foi diagnosticado com Covid-19, fazendo uma atualização do seu estado de saúde e garantindo continua a lidar com os temas mais prioritários.

“Estou bem, sinto os mesmos sintomas de ontem: fadiga, dor de cabeça, tosse seca”, anunciou. “São os mesmos sintomas que tiveram as centenas de milhares entre vós que ou já passaram ou estão a passar por ele agora”, sublinhou o chefe de Estado francês, que garantiu ainda que “a cada dia” irá dar “conta da evolução da doença” de uma maneira que garante ser “totalmente transparente”.

Num vídeo que tem 3:22 minutos, e que Emmanuel Macron filma em modo de selfie, já que está em isolamento desde a manhã desta quinta-feira, acrescenta ainda que continua a trabalhar, embora admita que a evolução da doença o possa levar a debruçar-se apenas sobre os temas mais “prioritários”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Vou continuar a estar a par dos assuntos acorrentes com o primeiro-ministro, o governo e as minhas equipas. É uma atividade que pode vir a diminuir por causa do vírus, mas vou continuar a ocupar-me dos dossiers prioritários. A gestão da epidemia no nosso país ou, por exemplo, o dossier do Brexit”, sublinhou.

Emmanuel Macron aproveitou ainda para deixar um novo apelos franceses, instando-os a adotarem comportamentos que os previnam do vírus e da doença. “Ontem testei positivo, o que demonstra que o vírus pode atingir qualquer pessoa, porque eu estava muito protegido, tinha muitos cuidados, respeitei as distâncias, usei máscara e álcool-gel regularmente. E, apesar de tudo isto, apanhei o vírus, certamente num momento de descuido ou de azar”, disse. “Ninguém está a salvo deste vírus.”

Naquele vídeo, há ainda menção ao facto de Emmanuel Macron ter estado com “vários responsáveis políticos”, entre os quais se encontra o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, com quem teve um almoço de trabalho esta quarta-feira. Emmanuel Macron referiu que as pessoas com quem teve contacto fizeram o teste e estão neste momento em isolamento — e acrescentou ainda que ele próprio registou o código que lhe foi dado aquando do diagnóstico positivo na aplicação TousAntiCovid.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o média do período de incubação do vírus SARS-CoV 2, que causa a doença Covid-19, é entre 5 a 6 dias, mas que geralmente pode ir dos 3 aos 14 dias.

De acordo com a agenda pública da presidência francesa, Emmanuel Macron esteve no mesmo espaço físico de dezenas de líderes internacionais: recebeu o seu homólogo egípcio, Abdel Fattah Al-Sissi, a 7 de dezembro; reuniu, em sede do Conselho Europeu, com os restantes 26 chefes de governo da União Europeia entre 10 e 11 de dezembro; voltou a estar com o Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e com o Presidente do Governo de Espanha, Pedro Sánchez, no dia 14 de dezembro; e encontrou-se com António Costa a 16 de dezembro, o último encontro com líderes internacionais que teve até ter sentido os primeiros sintomas.