Vários agentes culturais reagiram esta quarta-feira com resignação perante o anúncio do primeiro-ministro de que o setor da cultura não poderá funcionar em Portugal continental durante o novo confinamento geral do país, entre 15 e 30 de janeiro, pelo menos. No entanto, alguns desses agentes ouvidos pelo Observador, como o sindicato Cena-STE e o movimento Ação Cooperativista, querem ver apoios públicos a chegar a técnicos e criadores artísticos e aguardam com expectativa as medidas a anunciar nesta quinta-feira pela ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Escolas abertas, teletrabalho obrigatório. As medidas, ponto por ponto, do novo confinamento

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.