Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Tão cedo o Governo não se livrará dos lapsos europeus. Depois da carta de defesa do procurador José Guerra em detrimento da colega Ana Carla Almeida conter factos falsos, agora é a vez de uma missiva de António Costa para o Parlamento Europeu se basear, na terminologia do Governo, em novos “lapsos”.

Desta vez está em causa uma afirmação do primeiro-ministro enviada para Bruxelas que, além de equívoca, é igualmente contraditória com o que foi afirmado pelo mesmo António Costa em Portugal.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.