Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No mesmo dia em que circularam imagens a mostrar áreas comuns do Liceu Francês de Lisboa com grandes ajuntamentos de estudantes (situação que terá provocado mal-estar entre os encarregados de educação), a direção da instituição decidiu, esta terça-feira, que as aulas presenciais para os alunos do secundário passarão a ser substituídas pelo ensino à distância de 21 de janeiro a 29 de janeiro.

Na origem da decisão está o aumento de casos de Covid-19. Um total de 67 alunos do 10.º ano estão em isolamento profilático, enquanto 60 alunos do 12.º ano estão na mesma situação.

“Vários professores também estão igualmente em isolamento, seja por contacto, seja porque testaram positivo”, revela o Liceu Francês em e-mail enviado aos encarregados de educação.

O estabelecimento escolar justifica ainda a decisão “tendo em conta a situação sanitária em Lisboa”, bem como pelo encerramento de restaurantes nas imediações do colégio.

Assim, a partir de 21 de janeiro, foi estabelecido para os alunos “um número mínimo de horas de videoconferência por nível de aula e por disciplina”. “O aluno deve estar a trabalhar de acordo com o horário normal”, lê-se ainda no e-mail.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR