Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Instituto de Medicina Tradicional (IMT), uma empresa privada de formação em terapias alternativas, encerrou este mês ao fim de mais de duas décadas de atividade, deixando salários por pagar, propinas por restituir e certificados por emitir, de acordo com um conjunto de comunicações internas a que o Observador teve acesso.

“O IMT, que já se encontrava numa precária e difícil situação desde o ano 2017, viu os seus problemas financeiros agravados, de forma irrecuperável, com a pandemia que desde o ano passado vem devastando a nossa atividade“, lê-se num e-mail enviado por um dos responsáveis da instituição, Mário Rodrigues, a todos os estudantes no dia 6 de abril.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.