440kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Taxa de incidência volta a subir, mas R(t) cai pela primeira vez num mês

Este artigo tem mais de 6 meses

388 novos casos e 2 mortes no último dia. Indicadores de risco apresentam comportamento distinto na última atualização. Internamentos em máximo de um mês.

Portugal Impacted By Coronavirus
i

Corbis via Getty Images

Corbis via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Após um mês em que o índice de transmissibilidade não apresentou qualquer descida, a Direção-Geral da Saúde indicou esta segunda-feira a primeira redução. O R(t), ou seja, o número de pessoas que alguém pode infetar num determinado período, passou de 1,08 para 1,07, o valor que Portugal teve nos boletins entre 26 de maio e 2 de junho. Sem contar com as regiões autónomas, a redução é mais acentuada, passando de 1,11 para 1,08.

No entanto, no outro indicador de risco usado pelas autoridades de saúde e pelo Governo para determinar o ritmo de desconfinamento — a taxa de incidência de novos casos a 14 dias — a tendência de subida mantém-se. Desta vez, de 69,8 por cada 100 mil habitantes para 72,2, o número mais elevado desde 21 de abril (então 72,7). E no continente subiu de 67,5 para 70,6.

Estes indicadores são atualizados três vezes por semana, às segundas, quartas e sextas-feiras.

O número de casos registados no boletim desta segunda-feira (388) é inferior ao do mesmo dia da semana passada, 31 de maio, (435), mas supera o registo de 24 de maio (241).

Por região, Lisboa e Vale do Tejo teve 206 dos 388 casos de infeção registados no último dia, ou seja, 53,1% de todo o país. Seguem-se Norte (93), Algarve (32), Açores (26), Centro (18), e Alentejo (13). A Madeira não teve qualquer caso identificado no boletim desta segunda-feira.

Uma vez que o número de recuperações (+277) fica aquém dos novos casos, o número de casos ativos volta a subir (+109), atingindo 23.824, o número mais elevado desde 26 de abril.

O boletim desta segunda-feira traz ainda más notícias sobre os internamentos. São mais 26 do que no dia anterior, elevando o total de camas ocupadas com doentes Covid para 291, o valor mais alto desde 5 de maio. Na altura, estavam internados 297 doentes.

Já em relação aos cuidados intensivos, depois de um aumento de sete no último dia, estas unidades têm agora um total de 59 doentes graves, o número mais elevado desde 22 de maio (quando também foram registados os mesmos 59 doentes). Na última semana, este indicador tinha ficado sempre entre os 50 e os 53 doentes.

Os valores máximos nestes dois indicadores foram atingidos a 1 de fevereiro (6.869 doentes internados em simultâneo) e 5 de fevereiro (904 doentes em unidades de cuidados intensivos).

As duas mortes registadas no boletim desta segunda-feira são referentes a uma mulher entre os 50 e os 59 anos e a um homem na casa dos 60 anos. Uma das mortes teve lugar em Lisboa e Vale do Tejo. A outra no Norte.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.